sexta-feira, 5 de março de 2010

Serra de Janeanes no Maciço de Sicó

Por todo o lado se encontram cancelas frágeis de madeira a tapar courelas de pedras...
Há cenários idílicos no Maciço de Sicó,- locais que adoro onde vou frequentemente. Existem muitas geoformas cársicas, dolinas, a que o povo chama lagoas que no tempo se criaram nas megalapiás calcárias que retêm as águas das chuvas.
Foto tirada no 15 de agosto de 2012 na Chanca na serra de Janeanes  
A minha terra de adopção Ansião  situa-se no limítrofe nas faldas da aba do Maciço a sul de Sicó onde vivi até aos 20 anos e onde mantenho no concelho duas casas . 
Muitas vezes vou almoçar a restaurantes espalhados pela serra na Senhora da Estrela (Degracias, Alvorge e Redinha). Vejo com agrado a descoberta de novas pessoas por aquelas aldeias espalhadas pelas serranias a fazer escalada, e ciclistas. Pior é passar de carro por entre eles naquelas estradas estreitas. Cada vez mais é procurada por gentes de fora para apreciar raras belezas de tantos contrastes -,sobretudo das pedras de calcário esculpidas pela erosão, ali tão à mão, perco-me a procurá-las por entre as aldeias semeadas nas veredas com muros de pedra solta e lapiaz. 
Muito gostava eu de ir à feira das nozes no S. Mateus a Soure. Encantava-me o castelo ao nível do terreno,o primeiro que assim conheci, depois foi o de Torres Novas, habituada a vê-los sempre em cima dos morros.
Toda a região tem muita história e uma beleza incomum, muito pela serra, apesar de parte esventrada pela pedreira, com longos vales e a rebentação do rio Anços na Redinha, vila muito antiga com vestígios romanos e grutas com pinturas rupestres, já em Soure, a planura de aluvião, estudei em Pombal com vários colegas daqui. A minha despedida de solteira aconteceu em Vila Nova de Anços.
Serra de Janeanes com o moinho de madeira caraterístico desta região e os muros de pedra seca.
Capela do Casal do Barril

    Pena tenho eu de nada saber da capela do Casal do Barril.
    De facto é muito bonita. Vale a pena quando a visitar novamente tentar falar com alguém da aldeia mais velho e perceber mais sobre a sua origem. Melhor seria se lá se conseguir entrar e poder observar se o chão é em lajes de pedra, um factor que atesta a sua antiguidade (?). As capelas naquela zona da Beira Litoral datam da época de 1600 ( Guia, Pombal, Alvorge, Ansião) . 
    Porque não resistiram ao tempo, o povo analfabeto, as foi como pode reconstruindo, sendo tarefa e dever dos padres que só pensavam nas paroquianas encalhadas, e elas neles e sempre estiveram de fora nestas coisas que deveriam ser deles, apesar de tantos estudos filosóficos nunca se mostraram capazes de preservar este tipo de património. O que indicia terem negligenciado esta capela lindíssima em prol de uma nova...
 Capela de Santo António em Ansião

Em Ansião vivi de paredes meias com a capela de Santo António -, em pequena lembro-me de estar toda abobadada. A família que tinha a chave e tomava conta das esmolas decidiu arranjar mandar capela no início dos anos 60. Hoje é um monumento novo, descaracterizado. Apenas ficou a alvenaria das portas, guaritas e as lajes no chão,onde se pode ver a inscrição de 1641 junto à porta da sacristia e o negro da fogueira que os franceses desertores do Buçaco fizeram quando por aqui passaram, com inscrições de letras soltas à sua volta.O altar mor em madeira marmoreado em  azul foi deitado fora substituído por um em pedra banalíssimo.
Mera  hipótese da semelhança da arquitetura da capela do Casal do Barril com com as da antiga Índia pode ter consistência. 
Sempre fomos um povo de emigração com o sentido de voltar e mostrar a riqueza adquirida. O que faziam eram tal como hoje cópias das casas onde tinham vivido.De Pombal até Leiria,ainda de forte emigração podem-se  observar casas com telhados super inclinados típicos de neve e outras aberrações descontextualizadas na arquitectura da região. Mas não é o caso da capela, quem a mandou erigir tinha gosto refinado.A julgar pelo telheiro também característico na região nas capelas que foquei, excepção à minha de Santo António. Seria por certo um amante da traça tradicional usando o tom ocre na bordadura típico da Beira Litoral , em decadência e tão perseverante ainda hoje na Beira Baixa em Constância.
Muros de pedra seca
  Delimitam os terrenos de minifúndio na região

Há tanto para conhecer e descobrir pelo grande Maciço de Sicó!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog