sábado, 1 de maio de 2010

Um dia por Setúbal com a minha amiga Leonor


No  meu aniversário de 53 primaveras de Almada a  Setúbal e depois até à Caparica com a minha amiga Leonor
O meu marido por razões anómalas teve de ir trabalhar neste feriado do 1º de maio.
Imediatamente pus em prática um plano para gozar este dia, enderecei convite à minha amiga Leonor, que aceitou.Tipo de antecipação de 4 dias do meu aniversário. 
  • Fui buscá-la à Costa em direcção a Setúbal pela estrada velha.O cenário é deslumbrante, a partir de Azeitão, a serra da Arrábida com prados a perder de vista em tons lilás e amarelo. Apanhámos um chuvisco, visível a névoa nos cumes mais altos, os verdes à volta dos morros de pedra pareciam altares engalanados - paisagens únicas, por aqui tão perto, senti-las é obra de Deus - ela pouco as conhecia!
Estacionei junto ao rio por detrás da Portugália.
Tirámos fotos no jardim e na frente ribeirinha.
Visitámos a feira de velharias -, para o fracote, afinal, era feriado.
Estreei-me num minúsculo prato de Faiança das Caldas, pediu-me 5€ acabei por o trazer por 3 € num vendedor já conhecido que se estreava tal como eu. 
Depois rumámos a caminho da descoberta da cidade velha, de ruelas e vielas estreitas, muita gente a passear, algumas poucas lojas abertas. Ao longo da Avª Luísa Todi fomos à procura de almoço -,escolhi um local aprazível numa praceta calma e acolhedora numa esplanada para nos deleitarmos no deguste, que se lixe a dieta.Horas de comer um bom queijo de ovelha, pão casqueiro ainda quentinho, vinho maduro da região -,néctar encorpado, quente na boca, mui doce a escorregar e petingas  assadas com salada e pimentos, batatinha bebé cozida com a pele, maça assada, e café. 
  • Paguei eu com prazer por conta do meu futuro aniversário e saímos novamente em direcção ao rio onde caminhámos ao sol que aquecia...a paisagem de calmaria convidava a devaneios...ao longe os barcos de transbordo para Tróia em verde ervilha a fazer jus à cerâmica de Vanderlli de Coimbra...também a fazer lembrar o meu clube de coração ...gritei bem alto...Sporting!
Em jeito a minha amiga ria-se comigo e perguntava-me -, olha lá estás em condições de levar o carro? Respondi que até chegar ao estacionamento ficava boa...
Mais umas fotos e tomámos o caminho de regresso a casa. 
Simpática, instigou-me novamente, queres que leve o carro? Respondi, não, estou bem...  viemos em velocidade de cruzeiro, a poucos quilometras de Setúbal virei noutra direcção da serra por uma estrada estreita e sinuosa, numa curva retorcida em S -, afrouxei, naquele momento passava à nossa frente um gineto de cabeça pequena e dorso comprido, achatado, baixinho  com um rabo enorme esbatido a rastejar pelo chão.
Voltei a fazer nova incursão a caminho do Seixal, passámos à Siderurgia, não sei se ainda é nacional. Ela adorou o caminho novo, nunca tinha entrado pelo lado de Paio Pires. As vistas são de deslumbre na Quinta dos Álamos -, simplesmente magnífica a seguir ainda me lembro do tempo da fábrica da C.J. Wicander a corticeira com o azulejo azul na frontaria a dar o nome em jeito de ramalhete...há quantos anos no Banco escrevia este nome....ainda não havia computadores. Agora só resta a chaminé para atestar no local recordações. A vista a partir daí é soberba sobre a capital -, um postal ilustrado sem palavras, só visto...tanto há para ver...lindo, lindo parece uma paisagem paradisíaca. 
  • O espanto dela era tanto que decidi levá-la a conhecer a Quinta da Trindade, da época quinhentista que aguarda restauro, assim como o jardim. À sua volta nos campos outrora cultivados, tem nascido grandes urbanizações de luxo, onde fizeram o Campus do Benfica, as vistas são de morrer de caras para o rio, para Lisboa -, sem palavras!
A sede tinha tomado conta de nós fomos até ao cais da Transtejo. A vista é linda, as águas cálidas convidavam a mergulho, não é tempo de ostras, haviam poucas cascas na areia a bailar nas ondas mansas. Afinal dia do trabalhador tudo fechado!
De volta ao carro, parei à saída da baía junto ao cacilheiro atracado em jeito de restaurante, do outro lado decorria também uma feira de velharias onde comprei duas garrafas pequenas de água, bolas 2 €. Demos uma volta pela feira, rumei a caminho da Amora. Antes mostrei-lhe a Quinta da Fidalga outrora pertença de um irmão do Vasco da Gama que tem um tanque com um sistema de enchimento com a maré do esteiro. Em derradeira despedida o esteiro fez-nos companhia como a querer beijar.nos na rota de saída para voltarmos a parar para contemplar o Museu das artes de carpintaria de barcos e barcaças do Tejo lamentavelmente a apodrecer: carcaça preta e uma grande a definhar no tempo - como cartão de visita. Paisagem doce a pedir para ficarmos ali em sua magnífica contemplação.
  • Já na Amora tanto para ver e falar, enganei-me a cortar à direita, passei pelo estádio que já esteve na primeira liga,logo apanhei o norte e rumei à beira da Quinta do Serrado, as mesas de piquenique repletas de gente, nos verdes relvados  muitas crianças a brincar e a rir. Mesmo ao cimo dei de caras com a porta de entrada do terreiro da Festa do Avante. Meia volta decidi passar à Quinta da Princesa, Quinta do Infante, a vista é de arrasar sobre o sapal com ruínas de moinhos de maré, antigas fábricas da seca do bacalhau, ainda com os estaminés em rede onde estendidos secavam ao sol.Do outro lado o moinho de maré recuperado de Corroios, via-se a caldeira com água. Aqui perdi-me com tantas mudanças, fui por Vale Milhaços. Detesto!
Apanhei o norte outra vez, fui por caminhos e veredas estreitas entre vivendas de luxo até aos Capuchos...na descida a vista sobre o oceano...
Gritávamos...Havai...Havai...
Linda era tal magnífica paisagem! 
Deixei-a em casa. Deu-me um caixote enorme com bugiganga que tinham sido da casa da mãe. Contente vim para as ver. Escolhi um grande saco para a quermesse no Sto António.Um saquinho para a casa rural. Outro para a casa de Ancianum. ainda coisas minúsculas para a minha vitrine cá de casa.
  • Foi um dia inesquecível, pela companhia, pela conversa séria, e pelo prazer de ver paisagens únicas, belas de rara beleza, em rasgos de contrate de serra,rio, verdes...
Pena mesma? O meu Sporting ter perdido e logo com o Naval.Não gostei, fiquei azeda,mas dormi bem.
Tal tinha sido a grande caminhada.Valeu muito a pena ter sido afoita ,te-la convidado, melhor ter aceite!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog