quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Ruínas do Solar do Bispado de Coimbra em Santiago da Guarda

Lugar da Granja, na freguesia de Santiago da Guarda, concelho de Ansião, no distrito de Leiria.Inicialmente o solar ou paço, foi pertença dos Jesuítas de Évora.Depois foi pertença do Bispado de Coimbra de onde dista mais de 30 quilómetros.
  • Desculpas aos proprietários, porque lhes invadi o seu espaço...
  • Foto do lado sul, notória vista das janelas de avental e a pedra pedestal do poiso do relógio de sol.
Lugar aprazível-, granja e várzea rodeada de pequenos e belos outeiros ou cumeadas-, a imitar salinas.
Foto do lado norte, quis o tempo que ficasse de graça -, Outeiro uma aldeia castiça com muitas casas em pedra. Na predominância do outeiro há um miradouro com Moinhos de vento característicos neste concelho  em madeira , rodam conforme a orientação do vento num círculo em pedra à força de mãos.
  • Curiosamente não são redondos, antes em triângulo equilátero.
Do lado norte do solar um conjunto de duas casas no gaveto, uma grande remodelada com janelas de avental,onde funciona um Museu de fósseis marinhos encontrados nesta terra -, estava fechada.
  • Ainda outra casa e paredes meias que aguarda acabamento no interior. Ao lado outra aproveitada para habitação de reboco caído, deixa ver a pedra antiga. Uma recuperada à venda com duas belas pias em pedra a fazer de canteiros.
  •  Gostei sobretudo dos beirados, o típico beirado português.
Existem pelo menos três casas na aldeia, nas quais se identifica na ombreira um símbolo igual ao que existe no solar de aparente modéstia -,julgo aqui vivessem os serviçais dos frades(?) que trabalhavam a granja.
Uma delas sem telhado de paredes de pedra armadas exibe uma chaminé semelhante à do solar.
  • Numa delas uma guarita em pedra onde está cravada uma pequena cruz "Alminhas" sem imagem. Vi datas inscritas nas ombreiras de  pedra - 1704 - 1715.
  • Há ainda a CASA DA RODA, na frontaria uma pequena abertura encimada com o mesmo símbolo dos jesuítas e na porta de entrada o mesmo, onde se deixavam as crianças cujas mães não as podiam criar...
No cimo da pequena escadaria a entrada da capela do paço com a inscrição Santo Inácio de Loyolla- Companhia do coração...
Capela apresenta estas reentrâncias, supostamente foram altares, ainda visível restos de estuque... e no r/c a norte as mesmas se encontram mais pequenas .
Frontaria com arcadas, tecto em tijoleira de meias cúpulas, ainda uma janela de avental interior para este varandim. Diz o povo que por aqui andou em criança que além da capela havia a forca, duas paredes estreitas onde supostamente punham os mártires(?).
Perfil do solar,virado a norte
Na frente do solar a poente e da estrada salta à vista uma pequena casa redonda com uma porta aberta, virada a nascente, nada mais do que um pombal abandonado. Arredei o silvedo para espreitar através do infinito emaranhado de silvas e hera onde distingui nas paredes os buracos e os piais em pedra.
Extraordinariamente belo. Pena que não consegui tirar o melhor ângulo...

Em analogia sinto a semelhança dos arcos pelo seu formato, com os do Convento de Santo António em Penela fundado em 1578, contudo, o conjunto das construções (igreja, área residencial e anexos) datam do séc. XVIII , imóvel particular dista poucos quilómetros (15) da Granja.
Do lado Nascente do Solar no cimo de outro outeiro mais baixo há uma capela com orago a Nossa Senhora da Orada. Remodelada. No exterior são visíveis a antiguidade no átrio com laje na porta principal, óculo acima da porta, um pial e a ombreira finamente trabalhada, da época do solar.
De lado as frestas onde entra a luz. Existência de suporte em alvenaria em viez, para dar firmeza à capela e ainda a existência do beirado típico português.
Panorama da vista no outeiro da capelinha sobre a Várzea de Santiago da Guarda
Senti-me a dona do espaço, não tive medo das silvas, silvões e da hera.

Foto tirada em agosto de 2014
A poente a fachada de arcos com varandim e ao lado a cozinha de brutal chaminé.
A norte outra entrada secundária para o r/c .
Subi, escorreguei, caiu-me a máquina -, passava horas a fazer tudo novamente.
Adoro estes ambientes porque me fazem feliz, consigo esquecer tudo.
  • Imóvel particular, um dia destes vendido e perdido para sempre, a sua história e estórias!
  • O lado sul em derrocada supostamete seriam os aposentos(?).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog