quinta-feira, 26 de maio de 2011

Não esqueço que para atingir este clima ameno passei por tempestades.


Levantei-me cedo pouco passava das seis...
Da marquise, irresistível não captar o sol a nascer.
Nas vezes que pensei mudar de rumo.
Algumas tentei.
Algumas no limite, arrepiei!
Ponderada, balancei sempre prós e contras.
A loucura da aventura queima-me os neurónios, sonho acordada, engendro esquemas mirabolantes de fugas à realidade onde enlaço asas para voar e fazer acontecer.
Tem dias que o peso dos anos, gordura localizada, as rugas,  fazem de contrapeso no repensar em valorizar o meu ego, não ficar adormecida, no querer viver.
A nova chance que dei à minha vida, objetivo de mérito maior e salutar.
Abril, mês de rutura de sonhos e de príncipes.
Início de nova era, prestes a celebrar 54 primaveras.
A prenda que mereço afinal!
Adepta de caminhadas pela fresca e pela noitinha.
Ingestão de menos comida ao jantar e beber água , sinto aos poucos melhorias.
Gozo na balança que já pára nos 74, chegou a andar os 78...
A celulite a inimiga das mulheres, estupidamente a deixei instalar sem pedir licença, apeteceu-me dar cabo dela com tratamentos de crio...eletro...e mesot... 
Sinto alguma redução, dou comigo a mirar as coxas agora de pele mais lisa.
Apostei na minha auto estima a crescer e a teimar em continuar.
Num repente, inesperado, talvez adormecido o sonho que me toldava a mente se finou!
Abalada, chorei, mas aligeirei o coração pesado. 
Confiei no dito popular "aquilo que for melhor para mim chegará, e se não chegar é porque não era o melhor para mim"...
Maré de abrir os braços e deixar a esperança e a serenidade entrar e reinar.
Luto curto de uma tarde e uma noite.
De manhã a surpresa no convite e a franqueza em parcas palavras, tanta emoção...
Conversa curta, porém muito intensa.
Garantida nova chance!
Vivo uma vida mais calma, tornei-me mais paciente, compreensiva e tolerante.
Recompensas estonteantes, conversas francas, risos.
Mote para viajar.
Viagem ao mediterrâneo, Tunísia!
Contamos os dias para sozinhos, sob sol escaldante, areias brancas e finas no deserto e na miragem tão perto avistar Cartago, a cidade romana, partir em beijos, rolar nas dunas, perdermos-nos na bruma das ondas...
Tal ânsia, preparar malas, ligar o roaming, tratar de passaportes, comprar um biquíni novo...
Entusiasmo apaixonante esta viagem, como antes nunca outra assim se igualou.
Será tardia, mesmo assim a nossa primeira aquela que por razões várias nunca aconteceu, a sonhada Lua de Mel...
Aprendi a partilhar as emoções e os detalhes.
Pela primeira vez escolhemos o destino juntos, contamos os tostões juntos, pensamos em tudo juntos.
Estou feliz!
Não esqueço que para atingir este clima ameno passei por tempestades.
Os amigos ajudaram-me muito.
Apoiaram-me sempre nas minhas opções.
Precisei desabafar, explicar o que sentia no fundo da minha alma para num relance inesperado voltar atrás.
Depois, a coragem de lhes contar que tinha desistido de mudar.
A vida é feitas destes momentos de encontros e desencontros.
Nem sempre sonhar, fazer castelos no ar é auspicio de bom porto.
O futuro ditará se fiz a opção certa.Há anos que ando irradiada de objectivos, rankings, sucesso, louvores...
Pensar sublime, porque desgostos não pagam dívidas neste acordar para a vida!
Pela minha filha, por mim e pelo meu marido que me adora ao seu jeito...
Ontem a sua mão procurava a minha quando víamos televisão, deitado no sofá, eu no cadeirão...
Gosta de me ver de cabelos compridos...
Emoções raras que nos fazem sentir adolescentes.
Apesar das atrocidades da vida, das bofetadas sem mão, reergo-me a cada dia.
Tenho esperança.
Porque não deveria ter?
Estou a aprender a ser feliz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog