segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Aniversário da minha mãe a revisitar a rota de paneiro do seu pai pelo Alentejo

Aniversário da minha mãe quase sempre se pautou por ser um dia especial.
Muitas surpresas, este ano mais uma, juntei o útil ao agradável com o voucher "A vida é bela" que a minha irmã lhe ofereceu no natal, apeteceu-me presenteá-la a voltar a terras alentejanas, ao giro do seu pai, anos na arte de paneiro ambulante; chitas, riscado de Santo Tirso, Vila do Conde, cotim, serrubeco e ...
De véspera fui de comboio, a minha irmã foi-me buscar,enganámos o estômago no jantar no Manjar do Marquês em Pombal,empregado homem bonito, olhar azul do Mogadouro, há tempos que não o via, ainda dois dedos de conversa disse que estávamos giras,a sopa de feijão com couve galega a fazer lembrar a minha infância,a da minha mãe, uma maravilha, no balcão ao lado servia-se arroz de tomate malandrinho com pataniscas, reparei que numa mesa estavam homens, um deles já foi Procurador da República, bem olhou para as beldades....
A caminho de casa combinámos tomar o pequeno almoço com a nossa mãe no seu dia de anos, a primeira surpresa,não faltou o Pão de Ló, especialidade da casa, mal bebeu o café de cevada a minha irmã zarpa com o carro, atesta o depósito de combustível, regula o ar dos pneus e dita votos de boa viagem.
Prontas ficámos num ápice,a prima Júlia apareceu no adro também para nos desejar boa viagem, saco feito abalámos na nossa aventura, no caso, a minha grande primeira viagem a conduzir, antes só Almada Ansião e vice versa...IC 8, obras junto à ponte sobre o Zêzere em Pedrogão Pequeno, parámos em Proença, o primeiro e único susto, dúvidas se o voucher vinha no saco ou teria ficado em cima da mesa?
Sorte a nossa, estava no saco,eu nem o via tal o meu desespero só de pensar em voltar atrás , aliviamos águas por entre giestas ressequidas, cujo aroma não enganava.Entrei no IP2 a caminho do Fratel, sinalética insuficiente,a barragem há anos que não a via está na mesma.Passei por Arez não vi o pedestal à beira da estrada de nicho com o Santo em pedra, há coisa de 20 anos o vi e muita vontade tive de o trazer comigo...
Em Nisa, tomámos café, degustámos uma empada, as lojas de artesanato, cestaria, barros decorados a pedrinhas, trapologia e queijos esperam fregueses que não sei se virão, na orla da praça de cara lavada estilo cor partidária camarária só vi desocupados, pensionistas,conversas de nadas a fazer horas de voltar a casa para o almoço... tirei fotos, percorremos o centro a pé apesar do calor insuportável,fomos à matriz, vimos os restos da muralha do castelo,a destilar íamos a caminho do carro, demos mais uma volta pela cidade ate encontrar o rumo de Alpalhão, nova paragem junto à enorme anta que atesta nesta raia portuguesa os muitos vestígios fúnebres primitivos;dolmenes, menhires e sepulturas escavadas nos blocos de formas arredondadas graníticas,também apreciei a escultura natural do bloco oval esventrado por dentro em crateras de cristais de mármore, o pior, a máquina ficou sem bateria...nova paragem no convento Flor da Rosa, o sol escaldava, fotos com o telemóvel, claustros lindos, o túmulo do D. Nuno Alvares Pereira,aqui o seu pai foi Prior do Crato, não deu para mais nada estava na hora de fechar,no arraial fora de portas do convento procurei pelo fontanário imponente estilo barroco, ao lado uma sepultura romana a servir de bebedouro aos animais que no tempo foi adaptada e iguais encontrei em Castelo de Vide...na primeira vez que as vi há anos.
Estradas de retas e mais retas, blocos enormes graníticos semeados à toa na paisagem,paragem no Crato na zona histórica em frente aos Paços do concelho,linda a varanda gótica em granito rendilhada e arcos a imitar a Pax Júlia de Beja, achei tudo na mesma, há anos que aqui não vinha e não vi nada de diferente,as mesmas ruas desertas infindáveis, vazias de gente,de carros, de barulho, Museu fechado em obras, o outro em horário de almoço,muitos solares, brasões, e portas de ogiva,almocei numa praça com Mós a fazer de mesas e bancos em pedra, almoço frugal a pensar na fácil digestão e na piscina,medo senti de subir a ruela de calhaus de xisto a caminho das ruínas do castelo,concessão de 100 anos nas mãos de um particular, ali se desloca de helicóptero ,obras iniciadas para? pelos vistos estão paradas, gostei de rever as pedras das muralhas pintadas de branco dão-lhe um carisma ingénuo,a vista deslumbrante que se desfruta na nesga da muralha derrubada é bonita, ao fundo no vale uma pequena ermida e um grande fontanário de parede alta frondosa típico nesta região ornado de amarelos, o castelo altaneiro edificado na colina sul do morro vê-se bem quando disse adeus à vila rumo a caminho de Alter do Chão, curiosamente junto à estrada dei conta do frágil muro em lajes de xisto soltas muito frágil, nem parece que um dia fez fronteira à cidadela...
Atravessei a ribeira da Seda na ponte romana, nome que me ficou a bailar na cabeça,senti uma forte ligação deste nome com outro num largo do Crato, alguma coisa referente a seda aqui existiu quem sabe do tempo que foi ocupada pelos Cartagineses.
Chegámos ao destino,Alter do Chão pelas 2,30, burgo a crescer, reconheci o grande fontanário com o nome dos beneméritos que o mandaram erigir. Na estalagem fomos muito bem recebidas,tal a pressa de vestir o fato de banho, na piscina ficámos até perto das sete, lanchamos jesuítas e banhos uns atrás dos outros, mais de vinte, só tivemos companhia por volta das 5 horas.
Vestidas a rigor para o jantar. Salão decorado a meu gosto, alfaias agrícolas, arados e chocalhos.O repasto:bacalhau à conventual que eu chamo à Crato, com uma variante muito interessante e vou passar a fazer, leva cenoura ralada e couve, coberto com molho bechamel, o segundo prato,carne de porco à portuguesa com coentros,uma maravilha, tão delicadamente confecionados, sobremesas, para acalmar o calor um chá de menta com gelo.Decidi ir ver o por do sol, de abalada por estas terras é tardio,caminhada à volta do grande gaveto da estalagem,vivendas muito bonitas,passeios com jardins de oliveiras, do outro lado da estrada nas herdades grandes rebanhos,chocalhos a tilintar,pastavam àquela hora.De novo na estalagem, cansaditas, decidi abater umas calorias,teimei em comer mousse de chocolate...bicicleta e passadeira,não fui de modas,lembrei-me da minha mãe também experimentar apesar de ter vestido o seu lindo fato que lhe ofereci o tecido, o dia era de festa e de fazer coisas diferentes. Para mal dos meus pecados reparei que não chegava aos pedais, pior foi na passadeira, ficou estendida,aflita fiquei para a desligar e a tirar sem se magoar, sem fôlego para mais nada, melhor era ir dormir o que fizemos,quarto fresco,uma soneca direta. 
No jardim do Ribeiro da Vide
Acordámos bem de manhãzinha, degustámos no salão do 1º andar o nosso pequeno almoço, que só não foi mais à vontade pela constante presença do empregado a fazer de estátua, dois dedos de conversa com a dona da estalagem,falámos das lindas tapeçarias em ponto de Arraiolos que decoram as paredes, conversa puxa conversa confidenciou que uma filha morava em Almada, falou da sua casa na Charneca da Caparica e dos problemas graves com o diretor da estalagem que tinham apenas contratado há 3 meses para os libertar, começarem a passear, desfrutar da vida e dó lhe tem dado problemas e que problemas!
Hora de despedida com vontade de regressar.Tempo de visitar o burgo de Alter, lindo o castelo,torres finas,cúpulas em cone tão típicas nesta zona, a fazer lembrar a sempre noiva de Arraiolos, perdi tempos à procura de pão alentejano que não encontrei nem tão pouco havia queijo,junto à pequena praça outra vez arraial de homens barrigudos, desocupados a revirarem olhares...coitados!
Maravilhosa a paisagem que a barragem do Maranhão proporciona, Benavila uma das paragens do meu avô, nunca tinha ouvido falar,idílicos recantos lagunares em jeito de pequenas penínsulas, nelas belos cavalos pastavam, pena não ter máquina para registar tão belo cenário, ao longe comecei a avistar no cimo do morro Avis pelas altas ruínas do paço e do castelo, nesta terra senti uma nostalgia, ruas quase desertas, sem vivalma, pouco comércio,cidade morta apesar de tanto casario, incrível,andava uma carrinha de Abrantes a vender pão, chamava a clientela ao toque da buzina, comprei uma carcaça com maminhas, perguntei a uma velhota onde poderia comprar vinho, apontou em direção da cooperativa fechada... coitada queria ela dizer mini mercado...apercebi-me na conversa que travei com um homem da idade da minha mãe que com o filho mecânico estava de volta de um carro e travamos uma conversa sobre a vida de antigamente também ele um emigrante de Mora aqui radicado desde os 16 anos. De saída encontrei a cooperativa de azeite,acredito que seja bom porque o preço foi caro, 20€ 5 litros, de seguida parei numa herdade onde se produz o vinho de Alter,apesar de muito caro trouxe vinho para as férias e ofertas.
Horas de seguir viagem a caminho de Casa Branca,a emoção tomou conta de nós, na mesma estrada onde o meu avô tantas vezes passou, irresistível a reza que irrompeu no silêncio em sua memória... na padaria antiga de armário encastrada na quina da parede onde acredito ele ter entrado,comprei o verdadeiro pão alentejano por 1,20€, achei carote, ao fundo uma velhota de avental a rondar o chão caiava a barra da casa em azul.Passou por mim um velhote de bicicleta que nos disse adeus, o lenço aberto preso na boina protegia-o do sol no pescoço, tomei a estrada em direção ao Cano, muito grande esta terra, segui para Sousel que me deu ares de estar em Espanha, o carro parou-me em plena via do caminho de ferro abandonada, uma pena,seria uma mais valia naquele fim de mundo...
Almoço em Ervedal, tanta comida,uma boa feijoada com sabor a hortelã, o bacalhau com cebolada trouxe para o jantar.Travamos conversa com pessoas da terra, disseram-nos que se lembram de um tendeiro,andava com duas malas a vender fazenda, o Sr Coimbra...interessante ao tempo o hábito de falar que era de Coimbra, terra de nome sonante em detrimento da sua aldeia de Moita Redonda,que ninguém conhecia nem no mapa vinha tão pouco o seu concelho de Ansião, mas vinha no mapa o Pontão,lugar com poucas casas,uma cerâmica e um cruzamento...coisa que faz pensar!
O bom homem que connosco almoçava ainda disse que era loiro, e isso bate certo, também que se alojava na estalagem da Ti Joana onde as mulas descansavam, comiam e bebiam e ele também.Adorámos saber,a minha mãe sabia que havia uma estalagem onde ele pernoitava e vivia enquanto andava nas suas andanças e desandanças por terras alentejanas,de facto as terras que falava ficam todas muito perto umas das outras,circuito quase fechado, o giro, como outros tendeiros, cada um com o seu.A paisagem alentejana está em mudança e não é só a caminho do Algarve, por estas bandas também se encontram grandes olivais, vinhedos ,nogueiral e milheiral, quem diria!
Calor, muito calor a caminho de Avis novamente, uma raposa morta em plena estrada, lindo o rabo ainda tive vontade de parar e traze-la, não fosse o cheiro das vísceras...mais à frente um gineto, lindo rabo comprido a atravessar a estrada a caminho de Santo António de Alconrrego onde o meu avô chegou a ter uma casa alugada que deixou ao filho mais velho, o Carlos quando este se casou, a aldeia está irreconhecível, percebi que o nome lhe advêm da ribeira que lhe passa aos pés, muito casario, estradas, a minha mãe que em pequena aqui veio, perdeu-lhe o norte, eu acho que a descobri, branca ornada de azul, grande chaminé com a data de 1893 no alto com o grande quintal em rampa a escassos 4 km de Avis onde voltei para dizer adeus à albufeira do Maranhão, atravessei duas pontes, grande o lençol de águas a caminho de Galveias, lindo o solar apalaçado junto à igreja e num repente chegamos a Ponte de Sôr,parámos e fomos passear até à zona ribeirinha, lindo a represa das águas, a relva fresquinha, ainda nos deitamos nela e depois mais uma voltita à cidade que cresceu muito, quase a não reconheci a caminho de Abrantes, atravessei o Tejo, subi a cidade até encontrar o norte junto ao quartel,mais à frente entrei na Scut a caminho de Constância onde sai na parte norte bem na parte alta, parei junto a uma grande igreja a olhar o Tejo, ao descer reparei que era o cemitério, linda vista os defuntos tem, invejável, igual, só mesmo a do cemitério de Dornes a mirar a península do Zêzere.Nunca tinha feito uma descida tão acentuada, a pique vi jeito do carro capotar...nisto reconheci a estrada e atinei com o caminho em direção a Tomar, então não vi a ponte sobre o Zêzere? último reduto da viagem do meu avô passamos na Matrena, antigas fábricas de papel do Prado, tudo desativado, no cimo Santa Cita, no ramal para o Castelo de Bode parei e comprei melão e melancias para ofertas.O Nabão corria direito à foz por entre salgueiros, a escassos km de casa num instante chegámos, cansaditas e muito satisfeitas. Adorei a viagem sem sobressaltos, sem enganos, sem pressas, sem tormentos, tudo à minha medida e da minha mãe.Quanto a ela nem se fala, quiçá igualável o que sentiu a um orgasmo intelectual, a piscina adorou, só falava que ia fazer uma no seu quintal no lugar da capoeira, pior ficou quando falei nos custos da sua manutenção.
O fascínio de voltar ao Alentejo, aqui tinha vindo em criança, pouco se lembrava e teimava voltar ás terras onde o seu pai andou sabe Deus como a ganhar freguesia, no dizer do povo passou as passas do Algarve,conviveu com ciganos,fugiu de ladrões...comeu o pão que o diabo amassou...
Bem, ganhou umas coroas, a carteira cheia de notas atava com um elástico...de volta trazia na carroça o belo torrão de Alicante, enchidos, queijos e...
Também aprendeu a fazer um bom gaspacho.
Festejo dos seus belos 77 anos, o meu pai se fosse vivo teria festejado 76, faziam anos no mesmo dia com um ano de diferença.
Inesquecível este passeio, voltava sem custo a faze-lo outra vez, mais uma vez, sempre!

9 comentários:

  1. Amiga, ate parece que tambem fui nessa viagem de mulheres depois de "degustar" este post. Adorei a viagem e a tua maneira tão particular de escrever, a qual ja me habituou a diambular pelo teu mundo...Obrigado por me fazeres viajar pelo Alentejo do teu avô sem ter saído do meu sofá...

    Um beijinho muito grande

    Marília Marques

    ResponderExcluir
  2. Querida Marília muito obrigada pelo teu comentário.
    Foi sem dúvida uma viagem e pêras, Extraordinária...já acrescentei umas coisitas...esta mania de criar...tal o prazer em descrever o que vi e senti
    Espero que estejas bem
    beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Ola Maria Isabel!

    Já falamos sobre isto ainda não dei os parabéns á sua mãe!!!

    Parabéns Dona mãe da Isabel =D

    Que interessante o seu pai e a sua mae nascerem no mesmo dia!!

    Flávio Teixeira

    ResponderExcluir
  4. Olá Flávio, muito obrigado pelo seu comentário.
    Darei os parabéns...à senhora minha mãe!
    Bjs
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Não é seu Maria Isabel é "teu".

    Trate-me por tu, a isabel á mais velha que eu quase 40 anos =)

    Flávio

    ResponderExcluir
  6. Pois é Maria Isabel, por um pouco e passava ao pé do meu monte que fica entre Sousel e Estremoz, só que numa estrada secundária e completamente esquecida do mundo, seria necessário andar por vias sem alcatrão; mas que é uma tranquilidade lá isso é. Só oiço ovelhas, pássaros e vejo todo o tipo de bichos,para mim estranhos e, creio, selvagens! Em certa medida faz-me lembrar a vastidão das "minhas" planícies africanas!
    Estou rodeado de outros montes, só que estes infelizmente em ruínas, como estava aliás o que adquiri. Tem sido uma obra hercúlea, mas ainda só vou a três quartos do caminho.
    Apraz-me saber que gostou da "minha" zona
    Manel

    ResponderExcluir
  7. Gostei da descrição da sua peregrinação pelo Aentejo. Nos últimos tempos tenho visitado todas essas terras, o Crato, Avis, Sousel, Casa Branca e por todo o lado encontro a mesma beleza, as mesmas casas brancas, mas também só velhos e a mesma sensação de abandono.

    O interior do País morre aos poucos

    Parabéns à sua mãe

    ResponderExcluir
  8. Olá Manel adorei o seu comentário. Confesso que as saudades suas já eram uma constante...e sentia pena!
    Que bom ter encontrado o seu cantinho que tanto o faz lembrar da sua África e xistoso, pedra que sei aprecia. Noutra altura irei novamente e quem sabe se me aventuro por estradas de terra batida, com o carro da minha mãe passo por todo o lado, é quase um trator...sabe que ao redor das vilas estas estradas estão cada vez mais a ser abertas ou reestruturadas, servem para passear de moto 4 e madeireiros, as vistas são deslumbrantes, andei agora na serra de Nexebra numa tarde de grande calor a pé, acontece que a mina de água está assoreada e a falta dela ainda me deu mais sede...
    Concordo consigo quando fala da quietude, dos silêncios, do chilrear dos pássaros, dos grilos e animais como ginetos que ai os vi e raposas. A minha filha a semana passada quis ir passar uma noite na casa rural com o namorado, levaram o jantar, deliraram com a escuridão da rua e o silencio interrompido pelos grilos, adoraram a ideia de turismo rural, que a casa tem muitas potencialidades... no dia seguinte só se levantaram depois do meio dia porque cheguei para fazer o almoço, peixe grelhado.
    Nesta altura encontrava sempre por entre as pedras dos vários jardins a pele de cobras, imagine que este ano não vi uma.
    Que tenha muita saúde para a poder gozar e desfrutar. Acredito que o Monte com a sua criatividade vai renascer das cinzas com muros e muretes, azulejos, flores, cancelas de madeira e quiçá um santo e um sapo? bem o santo para dar sorte e proteger dos ladrões eheheh e o sapo para afugentar os ciganos, sabia?
    Já o estou a ver...que lindo e por dentro não vão faltar os "ratinhos" partidos e colados, lindos na mesma, alguidares, púcaros do café e alfaias agrícolas revitalizadas...tudo num ambiente sonhador e relaxante.
    PARABÉNS MANEL PELA ESCOLHA
    Linda e aprazível zona a dois passos de Espanha com cidades históricas, ainda a feira da ladra em miniatura de Estremoz.Fortes motivos de escolha que destronaram o sudoeste, mas este só mesmo a herdade do Brejão que um dia foi de Amália eu gostaria e acredito muita gente também.
    São pessoas como o Manel que fazem o País renascer das ruínas, uns puxam outros e aos poucos tudo voltará a ser mais bonito e cheio de gente nova com ideias novas. O Alentejo merece!
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir
  9. Olá Luís muito obrigado pelo seu comentário. Acredite que me lembrei bem de si por lá, tinha lido um post seu sobre as ruínas da igreja em Fronteira que descobriu no trajeto da praia fluvial com os seus filhos. Claro que quando vi a placa de Estremoz também me lembrei do Manel e em Alpalhão da minha amiga Gertrudes e em Nisa de...um hábito de gente boa, lembrar-nos quando passamos nas terras deles.
    Beijos
    Isabel

    ResponderExcluir

Seguidores

Arquivo do blog