quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Ensaio de Romance na Magia das Velharias - Fim do I volume

Amanhece fria a madrugada, imperativo levantar,dia de feira em Azeitão.Solicitei ao meu subconsciente um clique de energia para me fazer saltar da cama, pensar que vai ser um dia de sol e boas vendas.Saí de casa enroscada, a meio caminho telefona-me Lila "amiga acordei-te ou já estás na feira?)sorri,em jeito brejeiro disse, adivinha?....brincámos com as palavras,escorreita de ouvido tísico surprende, oiço o motor do carro...
Apiei-me gélida junto à praça que àquela hora já vivia grande buliço de carros, caixotes pelo chão, bancas a serem armadas, feirantes a desembrulhar peças dos jornais.Cheguei-me aos cumprimentos:Fontinha e o sócio Moreira,Ferreira, João e a esposa Assunção e claro parei para aquele abraço à minha amiga Lila.Levantei o olhar na procura da menina organizadora da feira, estava ao sol, fui até ela para me dar autorização para abancar, escolhi um lugar junto à escadaria para servir de espaldar.Lila chega-se, pergunta-me porque não fiquei ao pé dela,respondi" olha para ver se o negócio dá mais sorte,ultimamente conversamos tanto,dá mote à clientela para não parar, muito menos comprar, já que quase tudo tem preços", Lila dá-me um abanão,diz-me, "és louca amiga" ,naquilo vai-se embora, mas antes deseja-me boas vendas, agradeci, enderecei os mesmos votos.

Regalei a vista com o estaminé dos "ciganos", talhas antigas bordadas a cordas, algumas com inscrição da data, 1878,vinagreiras com a cantarinha na boca, lindas vindas de Trás os Montes, pias de água benta,despojadas de infelizes capelas e solares que ficaram sem elas,pratos pequenos em azul cobalto,com o motivo central " O Galo" não enganam da fábrica "CAVACO" de Gaia e,...
Na diagonal uma colega que anda nestas andanças há pouco tempo. Uma contadora de estórias.Filtrando o que diz,recente divorciada,despacha bens da casa e da herança da mãe para ajudar na sua economia familiar, já que a profissão angariadora imobiliária atravessa uma fase negra.Trazia uma grande aparelhagem, umas talhas pequenas, um par de "cães de Fó", alguns pratos de "Sacavém", também da fábrica Outeiro de Águeda e,...

Chega-se o meu marido que fica na banca enquanto eu vou ao café, fui convidar Lila.
Não podíamos demorar muito, a sua banca ficou sozinha, pedimos à colega do lado para "dar um olhinho".Fomos abraçadas para afugentar o frio.
Dividimos uma torta, doce típico, bebemos um bom café em chávena quente. Regalámos-nos.Falámos do momento e do tempo, ansiosa estava para saber o andamento do romance, já que me confidenciara ter marcado o encontro com Adriano.Sorrateira aliciei-lhe o ego" estás com um brilho diferente, não sei se é do cabelo, mas de facto estás linda" ela sorri e diz " minha querida é o amor, emendo a paixão".
Bem, então continua,pergunto? Sim,graças aos meus dotes:sensualidade e sexualidade, a minha riqueza, nesta altura já não perco demasiado tempo a perguntar o porquê dos meus sentimentos,a idealizar o meu amor, mergulho de cabeça no romance,aceito-o tal como se apresenta, faltam três dias para o conhecer na intimidade, sou realista não descuido a precaução adicional para não me magoar ou desiludir, também cuidados em relação a ele aos ciúmes que sei irei despoletar, um fetiche que adoro, quase uma doença.Nada de aceitar possessividade na relação, prezo muito a minha independência, finalmente faço a filtragem final,não concordas comigo?
Parece-me bem, ambos estão encantados, tem desejo um do outro,não vejo forma de desilusão.
Voltei à minha banca, o meu marido lançava-me olhares "só conversas com a tua nova amiga, tanto que falam, a banca é tua, não contes comigo para aqui estar", obrigada fui a gritar-lhe "um dia vou à minha vida, assim não dá, não colaboras, estás sempre de mau humor, faço o mesmo que a minha amiga, cada um para o seu lado", vira-se,diz vendi a um estrangeiro o oveiro...
Os livros iam saindo, parou um que me disse que tinha dois livros "1ª edição e autografados" há coisa de mais de um ano valiam dinheiro, chega-se outro à conversa e diz, "este homem sabe tudo sobre livros" hoje não lhe compro nenhum porque já tenho todos, podia comprar o da Isabel Allende,se não fosse o "Zorro", vou dar uma volta, foi e, não voltou, vendi-o a uma menina, mais caro do que inicialmente tinha previsto!
Horas de almoço, de tragar a bucha metida às pressas no saco térmico,levantei a mão com a sandes acenando a Lila,sorrateira logo caminha até mim para degustar também o seu farnel,o meu marido foi à tasca almoçar.Trocámos doces, Lila não quis,lembrou-se do seu amor dizer" não coma meu amor", aprecia corpos esbeltos e o dela já teve melhores dias,alvitra que tem de se ir inscrever num ginásio,diz-me que tirou terça para tratar do look,já marcou depilação, cabeleireiro, pedi e manicure. Um rombo nas finanças diz a sorrir. Atrevida perguntei, já pensaste no que vais vestir? Responde, já, tenho de me governar com o que tenho, não posso gastar mais, tenho um vestido de malhinha azul petróleo por estrear com a gabardina curta xadrez, uma das riscas é da cor do vestido, vou o mais simples possível, mas elegante com meia de vidro e botins castanhos e mala igual....uhuhuuh vais arrasar amiga com os cabelos longos a esvoaçar perfume e óculos de sol!

Lila corre para a banca, apareceu freguesia. A tarde chamou gente, mas poucas vendas, mesmo assim não me posso queixar, outras houve que fiz muito menos.Pelas cinco começou a arrumação.Fiz as despedidas aos colegas e a Lila desejei muita sorte para o encontro de quarta feira.Sorrimos!

Acordei na manhã de quarta com o pensamento no encontro de Lila, mandei-lhe uma mensagem "espero tenhas acordado com os anjos,pele resplandecente e,...depois conta"
Lila agradece a msg.

Andava na minha caminhada pelo Parque da Paz quando o telemóvel toca, era Lila a dizer-me que chegou ao local acordado 20 mn antes da hora, telefonou a Adriano a avisar, ele disse-lhe que chegava atrasado tinha comprado um carro novo,acabara de saber que havia atraso na tramitação com a mudança do seguro, seria melhor ela voltar para casa,depois ele passaria,Lila argumenta dizendo que atendendo à grande chuvada que se fazia sentir e ao atraso previsto, uma hora e meia, colmataria esse tempo com uma visita pelo shopping e, assim fez...mas o pior amiga é que passou a hora prevista, dei mais uma hora, telefonei, não me atendeu, julguei que viesse no trânsito, não pudesse atender e, com tanta espera sentada no carro decidi telefonar-te para me dizeres o que fazer, estou em pânico.
Sem palavras, sem saber o que dizer,aconselhei-a "amiga se fosse comigo vinha imediatamente embora", Lila assim o fez, sem almoço, apenas comeu um bombom da caixa que tinha comprado para ambos saborearem, e os morangos nem abriu a embalagem.

Adriano não disse nada!

Na cabeça de Lila saltavam dúvidas, porquês, um misto de hipóteses: acidente, morte súbita, problemas familiares,falta de auto estima(doença crónica de pele),desinteresse e,...
Lila confessou-me ter ficado em choque!
Que tal nunca lhe tinha acontecido, bem,segundo as suas palavras as oportunidades foram raras ou quase nenhumas, queria ela transmitir que nunca nenhum homem que a seduziu a deixou, foi sempre ela que os abandonou, ora aqui estava um facto novo para equacionar as razões.Em busca de explicação plausível consumiu louca as noticias de todos os canais, na manhã seguinte foi comprar jornais, por volta do meio dia ligou-lhe não atendeu, insistiu, sempre sem atender, o receio de algo ter acontecido alastrava-se, o que fazer? Serenar a sua ansiedade...mas pior deixou de aparecer no messenger a qualquer hora do dia e da noite,nem e-mails, nem telefonemas, nada!
Ao 3º dia Lila volta a telefonar, depois de alguma espera, ele atende e desliga de imediato. Alívio sentiu ela, "está vivo". Volta a insistir e sò à 3ª atende, Lila pergunta o que se passa, ele com aquela voz forte diz "não se passa nada"....
Lila fica sem pinga de sangue e diz-lhe "não se passa nada", desata a relatar que esperou por ele até às 3,30, ele desculpa-se e diz, "liguei-lhe quando ia na ponte e não me atendeu", Lila responde" desculpe não tenho nenhum registo de chamada no telemóvel, sinto muito"...ele reposta "tenho uma vida muito ocupada, não estou propiamente sentado todo o dia no sofá"...
Nenhum queria ceder...ao inusitado!
Lila apressa-se e remata " desculpe o tempo que lhe tomei, fique bem...

Hora de meditações!

Lila sentiu-se abandonada,será auspício que algo de especial estará a aproximar-me dela finalmente?

Adriano pensará com os "seus botões"... "Quando "morre" alguém que nos sonha, morre uma parte de nós"...acredito que no seu subconsciente gravitem a velocidades díspares uma turbulência de emoções "É bom sentimos-nos amados e queridos, mas, para que isso aconteça também temos que dar um pouco de nós"!

Estará ele disposto a enfrentar o medo e mostrar o seu verdadeiro Eu, porque quem quer que seja, tem que gostar de nós tal como somos..."por outro lado Lila argumenta com o seu ego "Sem nunca me esquecer que cada pessoa tem a sua opinião e a sua maneira de ver o mundo, se não tivemos o mesmo percurso, por isso mesmo, é natural termos visões de futuro diferentes e também os nossos medos..."


O meu recado...No amor, deve manter-se uma atitude previdente fazendo avaliações maduras, não correr riscos de atrair para a vida personagens do destino( pessoas que entram na nossa vida, se instalam, e depois saem tão despudoradamente como se nunca tivessem chegado). Também que as opiniões alheias valem o que valem,a única obrigação que temos é a de sermos fiéis a nós mesmos!

2 comentários:

  1. Bem me parecia que o conto de fadas teria que ter um senão...

    ResponderExcluir
  2. Minha querida, este é apenas o fim do I volume.
    Um dia destes começo o II.
    Bjs
    Isabel

    ResponderExcluir

Seguidores

Arquivo do blog