terça-feira, 2 de julho de 2013

Polémica o terminal de contentores na Trafaria... paredes meias com o caos de casario e cabos por todo o lado na Cova do Vapor.

Estreei-me na praia com o meu marido na praia da  Cova do Vapor na Trafaria onde o  caos dos cabos EDP e PT se avistam por todo o lado , sem rey nem roque, a fazer jus ao casario em pleno século XXI -, mais parece uma aldeia do 3º mundo!
Julgo o nome lhe advêm de um vapor que aqui se apanhava para Lisboa (?)
Começaram por serem construídas casas de madeira de pescadores. Após o 25 de abril juntaram outras em lata e tijolo ao sabor da liberdade recente em que cada um se governou como pode, considerando que o terreno público -, um bem adquirido pelo povo!
  • O mesmo aconteceu na linha da Costa de Caparica, Fonte da Telha e Portinho da Arrábida. Ao que constatei só o último aglomerado de veraneio foi sanado sem deixar rasto - já os outros houve tentativas, algumas demolições " gente que supostamente meteu as mãos pelos pés ao atribuírem contadores de água e de eletricidade" o poder do povo pelo tempo de vivência no local, e papéis dos contratos nas mãos -, fatalmente instalou o direito aos moradores pelo tempo de permanência que saiu ganhador! 
  • Estranho é saber que alguns funcionários  que tinham a responsabilidade de fiscalização de obras tenham sido para surpresa de muitos, e minha -, por certo o emprego veio por via do partido camarário-, se perderam com o encantamento de fortuna fácil... "segundo as notícias recentes foram apanhados nas malhas de luvas e,..."
  • Gostava de saber como se obtêm uma escritura do terreno público, ou será uma cedência durante um determinado prazo de tempo ?
Claro que todos os outros que não tem casa com caras para o oceano -, também mereciam  ter um espaço na frente do mar. Somos tal como eles filhos de Deus, nascidos neste País que deveria ter o papel da nobreza no exercer dos direitos, e dos deveres, dos seus concidadãos!
  • Vista privilegiada implantada em jeito de gaveto a da Cova do Vapor . Há coisa de dois anos as duas estradas principais foram asfaltadas, entre o casario o que existe são carreiros minúsculos entalados entre paredes. Nota-se a remodelação de algum casario que convive no seio do velho -, no fundo é tudo uma enorme barracada, salvam-se algumas poucas casas com algum gosto, outras na maioria inestéticas, porque lhe juntaram "lixos" à mistura de materiais novos, antigos, sendo que o resultado -, uma amálgama de nada, feita com desperdícios, que sendo bem enquadrados até poderiam resultar !
O céu está repleto de fios por todo o lado entrelaçados-, um horror de emaranhados presos aqui e ali, sem qualquer rigor estético, e ordeiro, como se deveria pautar...teria dificuldade em viver num local como este -,  no entanto se fosse requalificado mantendo a traça castiça em madeira, chaletts minúsculos, teria muito potencial  por se encontrar numa situação estratégica com vista de rio, mar, arriba fóssil , Linha do Estoril e Lisboa.
  • Julgo nunca o será!
No seguimento da linha da Cova do Vapor até à Trafaria na frente do Tejo nasceu um enorme amontoado de barracas . Atalhei numa rua sem saída junto da Escola Básica, dei de caras com as dunas, ao longe mal avistei o rio ...segui o carreiro com casas e barracas supostamente clandestinas a heito por tudo o que é lado, lixo, becos, um caos -, inexplicavelmente vi estacionado um Porche descapotável ...
  • Pobreza! Sim, supostamente vivem de subsídios, do rendimento mínimo e,...Coisas que nos deveriam deixar a pensar....muito!
Espaireci olhares  ao meu redor  numa de querer acalmar o meu  ânimo de revolta com um povo iletrado , marginalizado, que a vida sempre lhes foi madrasta - apesar de quase 40 anos a viver em liberdade e ensino gratuito, bêbado, com as ideias de outros  e medo que lhe cortem a reforma, anulem subsídios e,...vivem aprisionados  de paredes de lata com poucas ou nenhumas condições.

  • Especula-se  a transferência do Terminal de Contentores de Lisboa, Cais da Rocha e Santa Apolónia para esta zona dunal que é muito extensa
Fala-se que o lugar certo para instalar o Terminal será Sines. 
Pois bem, a meu ver este local  na margem sul não é desfavorável como possa parecer -, tem largura bastante, o impacto negativo (?) será minimizado se souberem fazer as infraestruturas de apoio e acessibilidades com uma nova ponte direita a Algés para o escoamento via terrestre para norte -, porque este sim para mim é o maior buzílio!
  • Há manifestações a incitar a população contra esta medida, onde se juntam autarcas e vereadores-, estando perto eleições é importante se mostrarem -, todos apelam se tratar de zona verde, protegida, pesca artesanal , dúvidas como se fará a via férrea necessária e,...
O certo, seria antes de se tomar partido do sim ou do não, se deslocarem ao local, apreciar os bairros de lataria instalados nas dunas, ditas protegidas...onde reinam montanhas de lixo, carros esventrados ao abandono, cães famintos, escanzelados, sem dono a perder de vista, estendais com paus presos por todo o lado e na beira do pinhal, entulhos aqui e ali na vista da capital em postal ilustrado nojento -, nada mais do que uma lixeira a céu aberto com vista privilegiada para Lisboa na beira do Tejo, sem serventia nenhuma!  Esta a verdade -, primazia do local na margem do Tejo, sem serventia aparentemente útil.
  • Se quem de direito souber captar contrapartidas sustentáveis para a população e para o local, porque razão não equacionar racionalidade onde o projecto possa conviver com a população residente, tornando a vila apelativa urbanisticamente, abolindo o caos das barracas, e do lixo? 
A Trafaria após o 25 de abril tornou-se numa vila onde quase tudo foi permitido fazer, sem respeito pela tradição e pessoas do local, onde se construíram aberrações com desajustadas construções -, onde haviam casas castiças com azulejos nas frontarias e chaletts . Há inclusive uma ruína de igreja rodeada de casario e lataria...
Nunca ninguém fez nada para tornar esta vila apelativa, e aberta ao turismo. O pouco que fizeram não tem manutenção, e devia. A estrada do Monte é uma vergonha com erva altíssima nas bermas, seguem-se canas e mais canas, com deficiente visibilidade para a condução. 
  • Sabendo que existe tanta gente desempregada porque razão a edilidade camarária não as manda limpar mais vezes, e não apenas uma  anual, que se revela pouco?
O problema são as acessibilidades. A recente estrada que fizeram da Trafaria a ligar o IC20 e o Montijo é uma vergonha para quem o desenhou, sabendo dos grandes camions que saem ao minuto dos Silos da Trafaria-, apresenta-se com rotundas desajustadas -, em frente das bombas, a de acesso aos bombeiros, tal como a da entrada de Pêra. Será que os topógrafos são aselhas no olhar e lógica para o futuro?
Quando se faz uma obra deve idealiza-se que seja para o presente e gentes vindouras -,  o Marquês de Pombal desenhou a baixa pombalina com estradas largas,  e não haviam ainda carros -,só de bois e burros...para pensar!
  • Lamento que a Cova do Vapor seja só para alguns, que bem ou menos bem, aqui passam férias à beira mar baratas...Península entalada pelo rio, mar e a herdade das Praias de S. João...merecia ser palco de excelência na frente de Lisboa!
Só que para isso são preciso "colhões" sendo  que a câmara de Almada há décadas que é gerida por uma mulher que gosta de se mostrar de flor ao peito!
.
Porto de abrigo das embarcações dos pescadores
Se pudesse escolher uma casinha-, seria esta com certeza!
Praia da Cova do Vapor, há outra na entrada
A neblina não deixara ver o Forte do Bugio
A miss da praia...giaaaa
No parque de merendas fizeram o aproveitamento de duas pinhas em faiança Caldas ou Devezas?
Adoro a tonalidade lilás deste cato...
A EDP e a PT deveriam instaurar coimas, só pagar as faturas aos seus  associados parceiros depois de vistoriados os trabalhos. Dessa forma acabariam as aberrações de fios e mais fios, entrelaçados abaixo e acima, presos nas fachadas de qualquer maneira desvirtuando as frontarias-, quando deveriam ser ao mesmo nível. 
  • Longe vai o tempo que os técnicos da EDP faziam um trabalho exímio, que bem me recordo tal como os da Portugal Telecom.
O Estado devia atuar forte e feio  para esta situação ter fim -, há terras que  no caso parece estamos no 3º mundo...uma autentica vergonha deixarem trabalhos exteriores tão mal engendrados, sem método, ordenação, sem respeito por nada nem ninguém. E disso não gosto nada! 
  •  Voto sempre em consciência, sempre fui contra o voto útil!
Há muito que sinto o chamamento para votar NULO !
No apoio da valentia, coragem, determinação e ousadia em satirizar de viva voz o rol de barbaridades que se vão fazendo no País com a  gentalha que se candidata.
Ninguém nos acode...acomodados estamos, só estrebuchamos, continuamos nesta lástima de vida aperreada!
  • Que raio de povo é este -, que descendência pobre em genes é esta , tal pobreza de hombridade e verticalidade, sem sede de justiça, igualdade, mudança, pioneirismo...no dever de lutar !
Bom é sentir nestas horas que nas minhas veias corre sangue fenício...
  • A minha consciência dita exercer o meu direito de exercer o direito ao voto adquirido no 25 de abril - porque sou mulher  - é um dever cumprir , sendo que a única forma que tenho de dizer que não me contento com a música dos políticos é votar NULO - se todos o fizessem, o MUNDO acordaria para este marasmo que se vive em Portugal! 
  • De forma diferente também se ninguém aparecer para votar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog