quarta-feira, 26 de março de 2014

Libertar desabafos de gente estúpida e nisso confortar a alma!


Recordar o som da canção Vitoriosa  de Ivan Lins ...
 
Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa...
Quero sua alegria escandalosa
Vitoriosa por não ter
Vergonha de aprender como se goza...
Quero toda sua pouca castidade
Quero toda sua louca liberdade
Quero toda essa vontade
De passar dos seus limites
E ir além, e ir além...
Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa
Que a vida pode ser maravilhosa...
Quero toda sua pouca castidade
Quero toda sua louca liberdade
Quero toda essa vontade
De passar dos seus limites
E ir além, e ir além...
Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa
Que a vida pode ser maravilhosa.

Nesta semana cinzenta e fria no despontar da primavera envergonhada e de alma aborrecida, ainda assim na vontade férrea da escrita, escrevendo...Desabrochei como uma flor ao ler esta manhã mais um trecho de incentivo, através de um correio electrónico de um grande amigo nortenho, que se me dirigiu nestas palavras... Amiga Izabel (ao sabor do lembrar dos tempos de antanho como se escrevia o nome da rainha que veio de Castela...carinho sabedor que aprecio! ) 
"Tenho lido os teus textos e eles brotam poesia, e uma dinâmica de escrita muito criativa. Deliciam-me, nomeadamente os que têm pitadas de veneno"...
Também este mês recebi uma mensagem de uma primita que me descobriu além-mar que nos separa. 
" Há exatamente um ano atrás aprendi a usar a internet , onde por acaso achei seu blog ,quando comecei a ler, e ver suas fotos percebi algo familiar , seu rosto não me era estranho e lendo suas histórias sobre Ansião e as suas gentes, reconheci a casa, e fotos de sua mãe, ai percebi quem era você , fiquei desde então encantada por tudo o que está em seu blog , suas histórias , suas louças . Há ... suas louças que me fizeram lembrar da casa de minha avó . Também como você sou apaixonada por tudo o que é antigo, móveis , louças, aqueles pratos dos cavalinhos, então xícaras , tudo de belo que você mostra em seu blog , que leio todos os dias um pouco desde que o descobri. Agora no facebook ,até o meu marido virou seu fã. Parabéns por ser esta mulher inteligente, e perspicaz que você é .Sabe Maria Isabel sempre a admirei , quando morava ai lembro-me muito bem de você novinha , linda , aprendi com minha tia a admirar sua família, ela admirava, e sempre falava muito bem da sua mãe, e suas meninas ela dizia "serem umas meninas de ouro" . Deus tem colocado algumas pessoas especiais em minha vida, e você Maria Isabel mesmo sem saber é uma delas ... " 
Como não há dois sem três , hoje um velho amigo de cabelos alvos... 
" Sempre te imaginei assim... Sempre te imaginei como haste que é capaz de segurar a mais tímida flor... E se quiseres imaginar, sentirás que as minhas mãos se te dão, pois tens o calor adocicado das raras mulheres que mandam os preconceitos às urtigas ...Nesta nossa sociedade, para lá de hipócrita, castra as pessoas ... E tanto castrou, e tanto quis legislar sobre o que não é legislável, que as pessoas se amedrontaram para o amor ... Os valores foram-se invertendo ... Quero lá saber duma fugaz vaidade, se tiver o amor para estimular e saborear?! 
Por vezes conjecturo no seguinte: quem critica e banaliza, jamais sentiu porque todo não se deu ... E outros acham feio o que para eles mesmos gostariam, mas não assumem a fraqueza-corajosa de gostar ..."
.....................
No domingo de tarde a minha mãe confidenciou-me estar aborrecida comigo porque a minha irmã lhe falou de zunzuns, a propósito de um trecho de memórias escritas sobre pessoas conhecidas-, que pela segunda vez se dirigem a ela em tom de recado (?)...
Mas que falta de etiqueta. O que tem ela a ver com o que escrevo ou deixo de escrever. Sendo irmãs, ambas adultas, senhoras dos nossos narizes, mulheres de bem, responsáveis, outro dever não deveriam ter senão mostrar o seu descontentamento em sede própria -, aqui no blog sob anonimato ou não, disponível existe o e-mail, e comentar o que parece suposto as incomodou. Ora sabendo que para tal é preciso ser-se determinada e no sobejo as conhecer -, incomoda-me constatar a cultura das palavras escritas de sabedoria parca, antes lábia -, ao proferir recados no querer achincalhar terceiros (?) por ser fácil o encontro, que sem culpa nenhuma se melindram neste papel, e com toda a razão. No pior com isso se geram boatos e cenas desagradáveis que seriam resolvidas se para tal fossem frontais, diretas, e o fomentassem a quem de direito, à minha pessoa. O que irrita e de que maneira é constatar neste agora gente de pouco caráter, com mania de ostentação, acredito com livros nas prateleiras sem contudo lidos, secas de espírito fechado, amargas -, no limite mal amadas, apesar de belas em corpo de carnes robusto, ainda assim sozinhas apesar de acompanhadas, na mesma sós, emproadas, de cabeças repletas de clichés e preconceitos, que pouco ou nada nesta vida produziram de valor, a revelar indignação, onde nada há para indignar, e por isso longe delas, e da raça de outras de igual estirpe, para não me voltar a indispor. 
"No desaforo desaforada, queria ver se da mesma forma quando querem transar o fazem com o homem da casa ou por portas e travessas o fazem com o vizinho"... 
Calma! Descarregada tamanha raiva!
Senhoras que não passam de mulheres vulgares, porque se honra houver, o seriam de linhagem bem diferente, de mente aberta, modernas, que riem a bom rir ao reviver cenas vividas em ambiente romântico, que é sempre sinónimo de saudade em pessoas de bem-, porque uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa -, isto para dizer que se foram felizes um dia, hoje divorciadas, não se devem desligar desse passado como se não tivesse existido -, porque é passado, outra coisa é o recordar do belo neste presente, já outra bem diferente é o futuro que ninguém sabe como será. 
Casos despelotados por aflorar frases não apreciadas carregadas de prosa poética, mas aos olhos delas vistas pela negativa, pelo fato da vida a dois nos casais, não ter dado sucesso na continuidade, há muito... 
Mas nem quero saber as palavras de tão grande incomodo (?) ou talvez saiba, do mesmo jeito iguais, ainda assim sem qualquer mal ou desagrado para ambas, disso tenho absoluta certeza. Pergunto eu- , sendo memórias e sendo o conteúdo verdade, porque raio se enxofraram? Possivelmente foi por lhe dedicar atenção nas minhas memórias e delas escrever com carinho, coisa que nunca antes, outro assim, nesta terra pela escrita se revelou, em as distinguir... Apesar de mulheres belas se revelam de personalidade espinhosa e dúbia, aos meus olhos perigosas e sobretudo mal-agradecidas! A vida pode ser maravilhosa, a quem como eu lhes dê ouvidos de mercador!
Porque parar, não paro de escrever, até que os olhos, os dedos e a mente fervilhe, nesta vontade louca de vomitar sensações de tudo, de quase nada, e com pouco compilar um texto, que amo voltar a reler...
E amarei de novo num dia num Lar, a rir e a saborear cada palavra na mesma força destemida e enérgica nesta teimosia de tanto querer -, afinal apanágio do meu caráter de mulher de fibra, autentica, que não tem medo do trabalho, seja ele qual for, muito menos medo do uso das palavras, apesar de contida, ainda assim de sabor apimentada, seja pela mistura do real e do fantástico, qual magia a construir estórias com história de memórias neste aprendizado da escrita, não passando de amadora, mas de cabeça sempre erguida, feliz, sem preconceitos, muito menos castrada. 
Pois que haja homem bastante que as ame bem amadas no ensejo de calmaria... 
Porque a vida pode ser maravilhosa...Vitoriosa!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog