sábado, 22 de março de 2014

Ontem no Dia da Poesia quero desistir de ti...

Ontem celebrou-se o Dia da Poesia. Quis postar no face este poema que fiz em tempos...
Ao final do dia congratulei-me ao saber que um amigo, dos primeiros após os 50 anos, que estimo  me surprende com a mensagem
  •  " guardei o teu poema para declamar num dia lindo de sol há beira de um jardim cheio de flores lindas como tu!!! Na saga da poesia andar nas ruas aqui pelo norte, o vou declamar esta noite a outras pessoas, com a tua assinatura "...
Quero desistir de Ti
Quereria eu ter poder
E sentir alegria!
Afastar de vez esta nostalgia!
Abraçar o infinito
Sorrir a sentir emoções!
Malditas horas nos dias a fio, sem nada ou pouco saber de ti!
Tantas preocupações. Insatisfeita!
Pergunto-me o porquê?
Será que mereço este clima de paixão?
Maldito cariz, comodo deserto a virar em segundos...
Espero, espero, pouco ou nada acontece!
Ansiosa contigo em mente!
Até que numa hora acontece falar -te...
Na mesma me fico, cansada sem esperanças.
Preciso desistir de ti! Como?
Começando pelo início
Quereria eu ter poder
E sentir alegria!
Afastar de vez esta nostalgia!
Abraçar o infinito
Sorrir a sentir emoções!
Malditas as horas a fio sem nada ou pouco saber de ti!
Tantas preocupações.Insatisfeita!
Pergunto-me o porquê?
Será que mereço este clima de paixão?
Maldito cariz, comodo deserto a virar em segundos...
Espero, espero, pouco ou nada acontece, sem ti!
 ................................

Preciso de Desistir!
Chegou-se o  limite dos limites de incutir a mim mesma a chegada do momento de parar, desistir, houve ameaço, noutras corte abrupto,  hoje aconteceu o clique de novo golpe fatal ...
Fico-me amargurada no pensar a reviver os porquês...
Podia dizer tanta coisa...Digo apenas o essencial. 
Quis a imagem do morango pisado na calçada fazer em mim despelotar o sangue derramado que me sai da alma  em lágrimas mas liberta,  libertando, de supostos amigos, que nada  ou pouco fizeram por me merecer, neste presente já passado na mora se fizeram revelar de caráter vil e mesquinho...Já noutros aconteceu em pouco tempo...
Embora os lamentos  nefastos desistam de mim a conta gotas , sei que se irão de vez, embora ainda não o perceba neste agora. Uma nova vida me aguarda a partir d'hoje bem mais feliz -, o que almejo me sinto tola jamais  a admitia, neste querer  enxergar longe e afinal perto de mim!
A mágoa  dolorosa deixa marcas que nem amizade sinto mais.
Incrível este ano já lá vão quatro...Para pensar e meditar.
Ora sei que todos os percursos de evolução tem começo caótico, que pouco a pouco vai encontrando o equilíbrio e uma organização própria. Estando a atravessar uma fase de dúvidas e inquietação fundamentadas nesta maturidade de parar, ficar ou andar -, preciso chegar à raiz de sentimentos despertados e descortinar os porquês da origem para poder voltar a encontrar o meu centro de equilíbrio, e assim canalizar a minha energia e de vez acalmar ansiedades, deixar extravasar atitudes sem limites, em ser mais contida...Mas apagada , reprimida em fazer o que gosto, sinto-me triste, morta e isso é experiencia dolorosa!
Desafio assustador...Contudo pode vir a revelar-se positivo se decidir entrar num novo caminhar ouvindo a intuição a querer despontar.
Espero epifanias que me ajudarão a clarificar as  emoções, também nova crença no futuro, sobretudo entender o ser humano que em relação a mim sempre houve uma malapata de mau agoiro encadeada, seja pela inveja dos saberes e da liberdade, seja pelo estar aberto e desinibido, tal maldição neste agora revisto a olho de lince como se fosse operada à catarata neste enxergar claro- , fosse nas descobertas, formas de estar estranhas, amuos, cobranças, dualidades, personalidades afinal díspares, onde se confudiu cumplicidades, com a minha escrita a desplotar paixões e também a melindrar supostos túmulos de pedra que  fez doer (?) e disso não gostaram alguns, senti foi nada, por acharem que entrei em dominios privados,  eu não o acho de todo -, fui subtil, disso tenho a certeza, e ponto final se acaso se enxofraram!
  • Revelações que se mostraram à contra luz na viragem negras na rápida beleza do que foram, e da que se faziam mostrar hilariante. 
  • Enganada fui eu, pouca valia os sinto na minha vida, por isso o rombo é nenhum!
Não me vou sem em remate dizer que um deles sendo de perfil de pouca valia social, adora dualidade, aparenta disfarce no mote de lobo na pele de cordeirinho...Perante os confrontos -, fácil foi contestar inocência na viragem e "bater com a porta"  no bravo proferir palavras descontextualizadas e indignas sobre a minha pessoa, que em abono da verdade sempre o acarinhou, ensinou para a vida, e jamais merecia porque tendo sido sempre sincera, ao invés delei de livro fechado a ferrolhos, dificil foi abrir páginas, com isso o tempo para deslindar tal personalidade perversa .
Foi o juntar de peças como se fosse um puzle para constatar a sua aparente incapacidade perante a argumentação sábia de uma mulher que se revelou mais inteligente das que conheceu ao longo da vida, e parece foram muitas -, que no pressuposto irritado no confronto de atestar a veracidade de fatos, deu como resposta ,  a negativa evasiva, sendo culpado por omição, no mote a dificuldade em falar verdade -, no pior, bateu com palavras duras, mas na raiva sinto como se batesse com as mãos, porque se revelou há muito de carater violento, impulsivo, mentiroso, irónico, vaidoso a esbanjar ar de romantico na pele de Casanova!
  • De ti  e iguais a ti, quero é distância e despreso!
Com este rol me vou embora sem antes agradecer, porque sou bem educada, de princípios treinada a sustentar a raiva de pé, sem cometer excessos, senhora de conduta firme na derrota provocada por mim -, bem diferente de ti  e de outros de raiva contida, na mesma igualmente feroz .
Gente que ferve em pouca água, que não dá hipótese ao diálogo, e num repente se inunda em águas lamacentas na desgraça desgraçada, da dita amizade nascida e desfeita aqui!

Sinto-me de novo livre, a testar limites, a selecionar amizades na seleção do que costumo não avaliar,  e sei ser importante, vou ter de me redimir desta falha grave, a ser mais cautelosa e determinada no esfriar a vontade de querer acontecer...
Cansei de ser amiga, bondosa e benemérita, na mania obstinada de estar sempre a obsequiar, nem que seja pela oferta de palavras, conversa, presentes, a levar  pontapés!
Fico com a minha auto estima a minha melhor amiga!
Saborear morangos doces, só gosto deles bem doces a olhar para o prato falante que me fala de AMOR !

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog