sexta-feira, 30 de maio de 2014

Cada cavadela sua minhoca quando falo contigo...


Olha-me este maio com chuva  e chuvisco molha tolos, frio, e penumbras de névoas que encobrem o costado das serras. As vezes que nestas alturas andei atrás de perdizes com perdigotos sabanicando em graça as penas do rabo na andança do aprender a voar, e  no apressado corropio ao seu encalço os via se elevavam em voo rasante atrás da mãe...
Tu és uma perdigota que eu não consegui apanhar!
Pois serei,  se tu o dizes...
Quando passei à tua porta andava o teu pai  a mirar a lavra do quintal, ainda é um homem de bons traços fotogénicos.
Porque dizes que ele ainda é bonito, eu sou feio? Tens os traços dele, mas ele tem laivos de garanhão, quem sabe foi folião, gostou muito de mulheres...
Aqui para nós ele foi um garanhão de primeira!
Diz-me tu se estou enganada, mágoas sente o filho de não ter  o mesmo jeito, ou o terá e eu não sei?
Transparente como água, sabes nas águas que navego e as que queria conhecer!
Pois mas digo-te que escolheste mal a musa.
Pois o meu pai foi mesmo um homem assim, mulherengo desde novo, sabes que ainda me lembro da minha mãe me mandar "guardá-lo"...Mas ele mandava-me ir brincar, só mais tarde percebi...
Olha que bonito o cuidado do mandar guardar -, ora  cuidava-se  para não te dar mais irmãos, na altura não havia contracetivos, e depois se a tua mãe fosse fogosa, lhe desse tareia na cama , cansado não passava do olhar...
Já imaginaste a estória deliciosa de ele  me mandar brincar ...
Nesse tempo usava-se o termo: Mandar "guardar” mesmo aos namorados. Lembras-te? Sim, lembro, as vivências que temos em comum, pois somos da mesma geração. 
Mas o Santo António diz que não basta!
Pois não, mas como Santo diz que nunca se deve perder a esperança!
Assemelhas-te a um cometa no meio de tanta estrela em céu estrelado...
Pois, mas eu perdi mesmo a esperança. Era muita luta: Lutar contra dois homens e a pior luta era lutar contra ti...
Muitas "batalhas", mas a batalha mais difícil seria lutar contra ti.
Tu estás encantado pela cumplicidade que nos emociona e se entrelaça no tempo, acredito que a paixão pode irromper de verdade ...
Olha que tenho uma Cruz pesada. Ainda não te falai dela...
Sim. É isso tudo, mas a vida é assim a vida não se ocasiona: Cumpre-se.
  • E é na casca do tempo a canivete que eu escrevo cada  ato presente...
E por isso vivo acomodada neste meu estar prolongado sem almejar o que queria que era ser livre e tentar encontrar a minha felicidade...
Foi precisamente o que o Santo me disse.
Por isso sinto-me triste em ter despoletada este encantamento inusitado em ti, e sofro por te ver sofrer, acredita.
A batalha mais difícil para mim seria lutar contra ti própria.
Não te preocupes...Comigo. O Santo António ajudou-me.
Fico aliviada em o saber.
Pois, fica bem. Eu estou bem e nada muda, continuaremos amigos na conversa saudável, não penso ir mais além...Foi um sonho! Acordei!
Gostei de saber que vagueaste comigo em sonhos, fizeste despertar em mim de novo alegrias que há muito não sentia, mas ainda bem que te sinto bem acordado, são tempos de rir saudavelmente... 
Cheguei a pensar passar contigo o resto dos dias que couberam viver!
  • Fizeste-me saltar as lágrimas...E tu em mim águas sofridas ...
Força. E se mudares de ideias cá estou de braços abertos em cruz à procura da luz que anda contigo e tanto me ilumina nesta vida.
Queria abraçar-te e sentir essa emoção linda que soltaste em ais ...
E de saída vou-me confessando, jamais nesta vida nenhum outro homem me falou de Amor como tu, com tão parcas palavras, mas por muito me conhecer!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog