quarta-feira, 11 de junho de 2014

Acorda Portugal neste 10 de junho!

Acorda Portugal neste 10 de junho 2014  -, Dia da raça, de Camões, e das Comunidades Portuguesas!

Desesperada em fogo lançada no meu Grito  de revolta sobre os iluminados deste governo, e  outros achadiços da comitiva...
Apresento desculpas aos leitores  pela linguagem  forte de cariz vernáculo. Embaraço para gente mais sensível -, que de mim se espanta neste travesso de limites. 
  • Ponderei o uso de sinónimos mas fatalmente -, o Grito perdia qualidade na raiva e no desespero!


Basta de gajos de poleiro a esmifrar o povo até ao tutano!
Basta de continuar a bater no elo mais fraco -, o povo!
Basta de atitudes impensadas  de roubo descarado a cada dia
Ou a ideia é tirar a pele da barriga como os nazis?

Chegou a hora, de  alguém fazer o que tem de ser feito
Urgente mudar esta cambada de "conas de sabão"
Achadiços sem eira nem beira de  conamayin street...
Julgam-se senhores a mandar em nós sem dó nem piedade
Urge tempo de fechar o que há muito se fala, o povo sabe, eles parece que não
Escândalo mayor ajudar acionistas privados numa Banca rota  anunciada
Hora de baixar categorias, escalões, chefias e ordenados chorudos
Pôr termo a mordomias: carros, cartões, obras em gabinetes, reduzir stafs
Há gente a mais que continua a não produzir riqueza  no serviço público
Chega de compadrio com entrada direta em cargos técnicos de fachada
Dar fim a pavões nos encontros a toda a hora no breek fast a esfumaçar!

Chegou a hora de alguém fazer o que tem de ser feito
O País  só se levanta das cinzas com gente de mais-valia
Onde a honra, luta e força em vencer, são  mote de trabalho
Cortes a doer no governo e na  máquina governamental -, já!
E, nunca debaixo para cima como o fazem a toda a hora  aos pobres
Esmifrando o povo que sendo pacífico, agoniado estrebucha -. não aguenta  mais!

Chegou a hora de todos dizerem -  Basta! Basta! Basta!

"Cabrones"  filhos duma puta fora as mães que vos pariram
Culpa não tem  nenhuma a não ser do excesso de mimo -, vos estragaram!

"Cabrones"  filhos duma égua vadia, corruptos de meia tigela
diplomados com aldravices -, abarrotam de riquezas em paraísos fiscais!

"Cabrones"  filho dum corno, raio vos caísse em cima, derretesse em merda
levada pelo Tejo além mar,  nunca mais serem vistos -, nem a boiar!

"Cabrones" panascos d'uma cabra figa  não valem  na política -, o  espirro d'uma  "punheta"!

"Cabrones" homens de "meia foda" não valem um "caralho" que  sendo gente -, não o  são é coisa nenhuma!

" Cabrones" tomem nota  isto vai dar guerra -,  que não seja de cravos!

Nada na vida pode substituir a persistência nem o talento. Porque o mundo está cheio de Homens de talentos fracassados, e muitos diplomados medíocres. 
Só a persistência e a determinação são omnipotentes!

Prefaciando um pensamento:  " A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no Amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade."

Basta! Basta! Basta!

Julgo que às vezes a frivolidade, pode ser uma forma de afirmar que ainda cá estou, e por isso não me tento a deixar derrotar.
Urge tempo de irmos a eles porque ontem -, já era tarde!

Fantasia demasiado alimentada pode criar uma ilusão, porque é fácil construir um "castelo no ar", no entanto, a sua demolição é normalmente muito dolorosa… 
Resumindo: Há que manter os pés no chão atento a estes gajos que teimamos manter no poleiro-, afinal a culpa é NOSSA!
  • Belo prato decorativo da Fábrica Constância/Batistini pintado por Maria de Portugal-, nada mais a propósito.
A fazer jus ao pensamento de D. Manuel II
"Portugueses unam-se pela Pátria: sejamos fortes e mostremos ao mundo e àqueles que nos seguem atentamente com cobiça, que Portugal há-de renascer ainda, numa era de grandeza e prosperidade. Pensemos no País, sem outras ideias do que a que devemos ter sempre presente: Nascemos Portugueses, queremos reviver as glórias passadas, queremos levantar bem alto o nome de Portugal, queremos viver e morrer Portugueses!

  • Neste dia a fazer fé ao pensamento "  Portugal há-de renascer ainda, numa era de grandeza e prosperidade, queremos reviver as glórias passadas "...O belo poema de Carlos Fragata!


10 DE JUNHO
Tanta pompa e circunstância,
Tanto hipócrita brilhando...
Tanto mal, tanta ganância,
Ignorando a importância
Do que o povo está passando!


Tanto "glamour" e riqueza,
Tanto ouro, ostentação,
Tanta ofensa à pobreza,
Tanta casa portuguesa
Sem uma côdea de pão!!

Tanto pobre envergonhado
Fingindo, p'ra não chorar,
Tanto lar desmoronado,
Por ficar desempregado
Quem quer o lar sustentar!...

Tanto erro cometido
Por um povo bom e crente,
Que hoje está arrependido
Por ter um dia elegido
Monstros, crendo serem gente!

Carlos Fragata

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog