sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Há que tempos não fazia a feira de velharias de Pombal

A feira cresceu a olhos vistos estendendo-se pelos meandros do jardim Marquês de Pombal. Reencontrei a Anabela Pimpão e muitos outros colegas.
Troquei um pequeno prato da OAL com dançarinos  encimados por um coração por uma travessa da Real Fábrica, com o Félix de Alqueidão da Serra.
Fiquei vidrada com o estaminé do Sr Orlando de Portalegre, tinha faiança da melhor qualidade; Coimbra, Fervença, Bandeira, Gaia, Aveiro e,... Quando voltei para fotografar já estava toda arrumada, o Sr Manuel comprou tudo, menos arte sacra...Por isso fiquei com esta cara!


A minha banca debaixo da pérgula, uma boa opção, pela sombra. 
Ao meu lado ficou um estreante de Pedrogão Grande, trazia parte do espólio de uma tia para vender.
Colega reformado da Banca aos 40 anos por motivo de doença. Gostei francamente de ter conversado sobre o tempo que ambos fomos gestores de Clientes e em funções de hierarquia. Apesar de ser mais novo uns 18 anos, admirei incondicionalmente a sua atitude, forma de estar e de falar, que me deixou francamente satisfeita, pois no ativo, nunca tive um colega do sexo masculino, com este perfil apurado e determinado quiçá semelhante ao meu-, e se ainda acrescentar a substancial lacuna nos estudos que nos separa, sendo licenciado, de uma geração muito mais nova e dos conceitos de aprendizagem terem sido totalmente diferentes em ambos, deixou-me fascinada. Se revelou ter sido um empregado competente, sobretudo com visão, criou procedimentos de poupança na clientela de faixa alta que gastava tudo o que ganhava, que eu há 20 anos já os fazia, de livre iniciativa, por alta recriação-, homem sempre de pés bem assentes, sabendo bem o que queria, já eu neste ponto em bicos de pé extasiada com louvores, bem me lixei!
Desejo-lhe boa sorte e muita saúde, porque boa reforma, nisso já foi contemplado e bem!
Comprei-lhe o tabuleiro com Bordado de Viana do Castelo. A outro colega comprei a talha asada
Bela travessa no motivo cantão popular, mas carota...
Estavam pai e filho a mirar o mapa, quando me cheguei , disseram " acho que este mapa já esteve nas nossas mãos...tivemos um que  vendemos também lhe faltava um bocado como este..."
A cidade tem uma dinâmica interessante, passou um rali de carros antigos e este de sait car 
Comprei esta toalha para oferecer à minha mãe que me fez o farnel, pela história-, foi de um restaurante em Pereira, na praia fluvial, feita para o evento de uma festa do Sporting onde não faltou a Maria Valério, que curiosamente celebra aniversário no mesmo dia que eu.
A feira foi fraca, estava muito calor. De tarde há pouca afluência.Os clientes estão habituados a comprar barato, coisas que muitos trazem de casa só para fazer dinheiro, não tem cultura de colecionismo, nem denotam saber sobre faiança (?).
Comprei uma corrente de fogueira, há que tempos andava para comprar uma.
E este prato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog