sábado, 17 de outubro de 2015

Pousa Maria a perfeição não existe!

Pousa Maria apesar do estar nefasto pousa a tua cabeça, mas erguida, estrebucha, vomita asneiras, mas jamais percas a calma e a postura!
Imerecidas as últimas críticas familiares, mais uma vez ferem o teu deslumbre da mulher que és, jamais de talento reconhecido, vá lá saber os porquês...como também não mereces respostas formais de gente que te abandonou no trabalho, por isso voltaste a insistir sendo pragmática, sabendo da redoma que esta elite comanda, desumana e fria...porque claro não pedes nada a ninguém, nunca tiveste "cunhas nem compadrios", antes foste frontal, soubeste desenvolver a tua inteligência e vários talentos para deixar muitos deslumbrados, afinal como era possível sem licenciatura...
Lanças aqui mais um Grito contra esta sociedade medíocre onde sentes que és diferente na atitude e no modo como olhas para o mundo, para as viagens, memórias e vivências, da natureza e do mar, das serras e das pedras, das velharias e das feiras, fatalmente das coisas, das tradições e costumes das gentes.
Mas também és de pensar lento para proveitos a teu favor, pensas nos outros sempre primeiro!
Pousa Maria, não dês mais ouvidos a gente ignóbil que afinal de ti não gosta como mereces, ignora existências desagradáveis, intrigas de amigos ou mesmo políticas-, mas que governo vamos ter? "venha o diabo e escolha", em final de mandato, início, ou simplesmente sendo líder partidário no mesmo costume de nomeação de cargos públicos a gente que nada ou pouco fez nesta vida e outros a contrato em final de termo ainda sobem na hierarquia de direção-, " tacho" de bons ordenados a familiares, enteados e amigos, a podridão continua a ser a falta de ética e de rigor em governar , em assumir o combate de melhor fazer, reduzindo custos com pessoal que não é estritamente necessário, o que faz falta é gente com capacidade de trabalho para o trabalho, e não de estátuas ambulantes andantes pelos corredores a fumar nas varandas ou átrios com hora no coffee break, onde se fala e comenta de tudo e de nada da atualidade, sobretudo na troca de elogios e carinhos, se perde tempo que é remunerado a alto preço, que ninguém controla-, tanto diretor a fazer concretamente o quê? Claro que  a polivalência há muito já deveria ser meta profissional, mesmo nas chefias, porque o desempenho do trabalho faz-se na trincheira a resolver e a dar soluções, em atitudes de prontidão, sendo prático, atento, sobretudo em saber decidir na dificuldade, mesmo errando, e se corrigir sem tabus ou preconceito, sendo proativo, produzindo riqueza.
Estou francamente cansada da política, da máquina que a move, que gasta indevidamente o nosso dinheiro!
Haja alguém "de colhão preto" que pegue  no País pelos cornos, que o agite de tal modo em brutalidade determinado em acabar de vez com o regabofe para em absoluto de uma vez por todas  se "enxote esta cambada" e finalmente entrem no trilho de conduta digna e hombridade no trabalho e que o realizem em tempo útil e com resultados, desde juízes a deputados. Supostamente gente que faz de conta, ainda assim serão poucos os que desempenham cabalmente as funções que lhes foram confiadas no tempo  e com mérito.

Nesta mágoa  vivo os meus dias-, sofro sim, no meu País abandonada e não mereço, sabe Deus aliviada por ainda me deixar encantar pelo passado, convicta das coisas que eu gosto, porque me fazem sonhar ao percorrer um sítio, partindo em fôlego na descoberta de corredores cobertos a laje de pedra, pedras que falam em janelas de guilhotina e portas ornadas a grandes fechaduras, e óculos de luz que me encantam, chaminés altivas de barriga gorda ou elegantes, vedações em ferro forjado e igrejas simples, barrocas ou bizantinas-, melhor sabendo que em pano de fundo possa contemplar o mar, um rio, ribeiro ou regato...
Perante tanta emoção em mim renasce o fascínio do brilho dos azulejos que sem explicação me impele para o deslumbre total... 

Citar excertos de um amigo

" a Isabel está sempre mais à vontade naquilo que não é palpável ou concreto, nos assuntos em que pode dar largas para o seu espírito correr em todas as direções tal qual, ao entrar numa igreja barroca, deslumbrada, perde-se, parte em todas as direções e volta, para se encontrar novamente no fim”…


…”A Maria Isabel foi uma peça chave …Encorajou-me na fase que iniciei o meu blog, fase chata da minha vida, perto de uma crise de auto confiança, os seus comentários meio loucos, onde fazia da noite uma alvorada e se perdia para se encontrar, como no poema da Florbela Espanca, foram sempre surpreendentes e um grande encorajamento”…

Citando Miguel Torga S. Martinho de Anta 1937 
Bucólica

A vida é feita de nadas:
De grandes serras paradas
à espera de movimento;
de searas onduladas pelo vento;
de casas de moradia caiadas e com sinais
de ninhos que outrora havia nos beirais.

De poeira; de sombra duma figueira.
De ver esta maravilha:
meu pai a erguer uma videira
como uma mãe que faz a trança à filha.

Citar Nietzsche
 "Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas."

Há sempre uma porta aberta que se abre para o Mundo!

2 comentários:

Seguidores

Arquivo do blog