segunda-feira, 21 de março de 2016

Folares ou Fogaças de erva doce na receita da minha avó Piedade

O meu neto Vicente estreou-se a fazer bolachas para o Dia do Pai. 
Infelizmente no meu tempo não tive o privilégio do convívio num Infantário, foi uma vivência com criadas e cachopos por Ansião, que me passeavam no carrinho sempre a esmurrar o marmoreado do corredor comprido, para logo fartos de ouvir os gritos e ralhos da criada me largarem e em passo de corrida só paravam ao guichet dos Correios esticando a mão para a minha mãe lhes dar uma moeda, dizendo "já passeámos o carrinho da menina"...
Seja este despoletar de coisas boas de antanho para também recordar a minha avó paterna, de seu nome Piedade, padeira de mão cheia,que nesta altura da Páscoa fazia uns bolinhos típicos que enfeitavam os andores para se leiloarem nas festas, e também para madrinhas ofertarem aos afilhados o tradicional Folar com uma lembrança comprada nas lojas da vila ou no mercado.
Na ampla padaria a via de roda do grande alguidar vidrado em tons de amarelo torrado onde punha massa fresca de pão que tirava da amassadeira a que juntava ovos, banha derretida no púcaro na beira do brasido, raspa de laranjas e sumo, da latinha tirava canela e de outra tirava maior quantidade de erva doce, da garrafa aguardente a olho, açúcar amarelo e farinha, sempre a amassar até ficar uma bola que despegava das mãos e ficava a levedar até dobrar de volume, a que chamava - Folar ou Fogaça -, os fazia de várias formas; merendeiras, cortava a crista com a tesoura, ferraduras grandes e pequenas, e umas mais pequeninas que ficaram rijas que nem cornos, que chamava Lesmas, argolas e ainda fazia bonecas estilizadas vestidas de saia para mim e para a minha irmã, porque era mulher abençoada de mãos e criativa, além de padeira foi uma exímia bordadeira.
Saudade de sentir o cheirinho em fuso a deambular até quase à minha casa dado pela erva doce que exalava da boca do forno inundando a padaria e os ares em redor.
Saudade de ver o meu tio Chico armado de pá a tirar a fornada do forno, de ver o tabuleiro com os bolinhos douradinhos por serem pincelados com ovo batido, de muito bom aspeto, abrolhados ao cume deixando antever a massa amarelinha, mas muito quentes, miúda atrevida levada pela gulosice me abeirar e roubar um para logo a avó me alertar que fazia mal ao esófago, tinha de os deixar arrefecer...
A minha primeira vez, tive de fazer a massa de pão com fermento de padeiro, deixei levedar e só depois misturei os ingredientes, novamente de novo a levedar 4 horas, estaria com pressa para ver o resultado e por isso não me atrevi a fazer bonecas!
Folares ou Fogaças da avó Piedade Cruz
 Cortei no açúcar e na erva doce e acho que não devia...
 Ficaram por dentro de massa macia e crosta crocante
Amanhã vou levar para o Vicente provar uma ferradura...por isso cortei no açúcar...e para ficar mais macia a crosta, já está num saco de plástico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog