terça-feira, 31 de janeiro de 2017

O meu cartão Prestige Sottomayor!

Foto retirada da pagina do face António Nascimento Vaz 
Entrei no ano novo do meu signo chinês- Galo. Dita limpeza geral.
Abri a vitrine onde guardo memórias. Encontrei o meu cartão Prestige...
O Banco Pinto Sotto Mayor foi o pioneiro na década de 70 na atribuição de cartões de crédito em Portugal - SOTTOMAYOR BANKAMERICARD.
Foto do meu amigo RS
 O meu cinzeiro em faiança
Só entrei no Banco em 80. Decorria uma campanha com a distribuição gratuita do cartão de crédito a todos os funcionários, uma forma de publicidade barata, dava acesso a se comprar a crédito a 30 dias num tempo sem computadores, em que se usavam as chamadas máquinas de passar a ferro.
Julgo em 90 (?) apareceu o cartão Premier, o cartão dourado, só atribuído a clientes com saldo médio superior a 5 dígitos.O meu primeiro chefe no Banco, homem de cariz enigmático, mas que dele nada tenho a apontar, um dia apareceu-me ao balcão da Rua do Ouro, chamou-me para me dizer em voz baixinha " Isabel gostava muito de ter um cartão Premier, mas  não mo vão dar..." ao analisar o saldo não tive dúvidas da forte possibilidade, por me ver tão crente, respingava negativo, eu em flecha a descodificar os seus receios. Sabendo de graves problemas de endividamento de colegas pelo uso abusivo, conhecendo o sistema faziam compras a até ao montante de 5 contos, o limite para não se telefonar a pedir autorização ao serviço de cartões.
Analisado o seu perfil de cliente haviam argumentos válidos facilmente a contestar numa possível reprovação da gerência (?), mas na verdade ao tempo o foi difícil, mas debelado com sucesso, porque na verdade o merecia enquanto empregado e como cliente, que defendi com parecer e atitude!
Passado pouco tempo o vejo voltar ao Balcão, o cartão estava inválido. O procedimento foi o cortar na sua frente que deitei para o lixo a parte de inferior , deixando a tarja superior que dizia apenas o nome do Banco de lado... Questiona-me porque não deitei tudo para o lixo, de sorriso matreiro disse-lhe; caro chefe é a única forma de também ter o meu cartão Premier, vou mostrar-lhe e parti apressada para ir buscar o porta moedas e naquele imediato coloquei a tarja na primeira abertura dos cartões, dando assim a falsa sensação que também era detentora de um cartão dourado...
Fi-lo por gozo, mas também porque me fascinava a vaidade de um assim um dia possuir.Nunca o tinha visto a rir ,pois era homem conservador e de sorriso fechado...

Ao jus de remate ainda disse - seja pelo trabalho que tive na sua defesa para lhe ser atribuído...
Anos mais tarde numa cautela sorteada que pus a render a 8 anos na Mundial Confiança, cujo reembolso deixei deliberadamente à ordem para fazer crescer o saldo médio...

Até que chegou o dia que preenchi o impresso, me senti receosa tal como o meu chefe quando se abeirou de mim, na mesma dúvida seria atribuído? Mas foi. Mal o recebi a primeira coisa que fiz foi deitar para o lixo a tarja que foi do primeiro cartão do meu chefe...
O meu primeiro cartão Prestige Sottomayor no âmbito do Banco Comercial Português, foi naquele tempo um autentico orgasmo inteletual de pura vaidade, mas sobretudo pelo prazer em espicaçar mentalidades, seja o facto de muito poucos os que tiveram o almejo de também sentir que lhes foi atribuído!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog