segunda-feira, 24 de abril de 2017

Incêndio brutal na Moita Redonda no concelho de Ansião

Faiança do Arieiro em Tavarede retrata uma Imagem do Santo António com o Menino 
Nos acuda de outro fogo desta dimensão!
Hora de azar neste mês de abril faminto de águas mil e de grau de calor em pico do verão fatalmente a ditar prejuízo a muitos pequenos proprietários o brutal incêndio ocorrido antes da Páscoa ao Marco, no limite do concelho de Ansião com Alvaiázere, onde em tempos de antanho as gentes atalhavam para as Vendas e Maças de D.Maria. Ocorrido em local conhecido por "buraco" por ser um baixio rodeado de silvedo em terrenos outrora de vinhedos e olival com costados eucaliptizados. Rapidamente o fogo se alastrou pelo voo de folhagem de oliveira em chamas levada pelo vento caindo aleatoriamente noutros sítios onde haviam de provocar novos pontos de incêndio, tudo a acontecer a poente da Serra de Nexebra na Moita Redonda de Baixo, alastrando a sul para a Ribeira Velha e poente aos Murtólogos, Pensal, Vale Cego, Pereiro, não menos intensidade o que veio a deflagrar para norte nos costados da Serrada, Serradinhos, Horta, Mina de S.João do Outeiro do Cuco, Mina da Cova da Raposa, Amieira, Santainho, Mina da Cavada ao alto da serra...
Fiquei zangada com mais um roubo, desta vez um suporte em cimento para o chapéu de sol...ao jus que o ladrão (a) mora na Moita Redonda!
Aliás na maioria os ladrões vivem nos locais!
O nosso primeiro dia na Moita Redonda depois do Natal em que a minha mãe teimou ir connosco para cortar silvas na frente da sua eira de xisto sita ao Vale, onde a deixei sozinha porque tinha outros afazeres no Fojo, por volta das 10,30 preocupada com o calor que se fazia sentir parti ao seu encalço com uma garrafa de água para me deixar ficar admirada com o seu desempenho em matéria de trabalho efetuado, e sem luvas ainda me piquei e bem, ao lhe dar uma mão nesta árdua tarefa. Há coincidências interessantes, por incrível que pareça esta limpeza viria a ajudar a cortar o fogo a não avançar sobre a casa da minha cunhada a rondar a beira do terreno roçado vindo de cima provocado por um foco de incêndio aéreo caído num silvedo na berma da estrada da serra onde caíram fagulhas gerando um pico de incêndio na curva ao cimo do Vale, antes da mina de S.João, local perigoso por abaixo da ravina haver um grande poço escavado no xisto sobre o comprido na última requalificação da estrada foi assim deixado, quando o certo era ter sido entupido por se encontrar em local desprotegido, alguém que se abeire da berma agora limpa (?) pode resvalar no cascalho xistoso de terra mole podendo sem saber que ao fundo se encontra tal perigo...
A seguir ao eucalipto  o desnível da berma tendo ao fundo um poço  com ravina de 20 metros (?) de altura...perigo iminente!
Ao fundo o Pensal já queimado.
Almoço refastelado de porta e janela aberta a olhar o vale ainda totalmente verde, com a minha mãe a dizer " de futuro quando me convidarem para vir nunca mais recuso, afinal aqui come-se bem e passa-se um dia muito agradável". Dormimos a sesta. Por volta das 2,30 acordei sobressaltada com uma sirene, por segundos nesta terra de silêncios interrompido pelo palreiro dos pássaros fiquei sem saber onde estava...Descalça mal cheguei ao patim dei conta da chaminé de fumo negro a subir aos céus na Moita de Redonda de Baixo que a JFP atribuiu a designação de "Fundo do Lugar"...
Sendo que em nenhuma outra artéria da aldeia lhe defere o nome do Lugar -, Moita Redonda, em prol de "Rua do Lavadouro"...Quando o certo teria sido a atribuição de Rua de Moita Redonda de Cima e Rua de Moita Redonda de Baixo.
Em cheganças com muita pressa vinha um carro dos Bombeiros de Ansião em estrada estreita  com curvas fechadas viria a ditar mais abaixo embate com o jipe do comando...apenas o condutor se lesionou e teve de receber tratamento hospitalar. Chegaram muitos reforços de todas as vilas das redondezas, ouvi um bombeiro dando nota dos vários palcos incendiários a ocorrer nos vários flancos dando conhecimento do seu estado de, ou fora, de controle ao comando, que lhe ditou ir pedir reforços a Castelo Branco, Coimbra e Santarém, haveria depois de ver muitos operacionais com as suas viaturas sediados no Pereiro, Vale Cego e na Moita Redonda. A minha irmã vinda dos lados da Lousã ao ver o fumo se apressa em marcha aflita pensando na hipotética possibilidade do mesmo ter sido causado por nós...Felizmente não foi pela nossa mão!
Até poderia ter sido, no melhor pano caí a nódoa...
Filha de bombeiro voluntário aqui aporto para fazer trabalho rural, e de facto todos os anos a prática de fazer borralheiras, devem ser feitas dentro do período recomendado, sempre em dias de tempo húmido ou a chuviscar, e jamais com calor e vento, no período da manhã ou pela tardinha, sempre controladas, se possível com a mangueira ao alcance e lastro raspado em volta, jamais uso de gasolina para atear, pelo rastilho deixado, apenas acendalha, sempre com a forquilha e a enxada a controlar com terra para cima, ainda assim já tive alguns sustos-,a envolvente de erva verde arder e outra vez em segundos alastrou na folhagem seca dos carvalhos, nada que não conseguisse resolver com os ramos das giestas, rapidamente apagada optei por deixar ficar as ramagens da poda das oliveiras  no terreno a secar. Diz o povo "Quem tem cu tem medo". Confesso sei discernir o perigo, embora por vezes o espicace ao limite, o que só me engrandece a dosear e respeitá-lo ainda mais.
Borralheiras ou queimadas serviço que exige precaução e conhecimento dos limites desta prática, não basta uma vida sempre a fazê-las sem qualquer ocorrência negativa, para num segundo acontecer e se calar vozes que se alevantam proferindo que se tratou de acidente, claro que foi acidente, mas provocado por pessoa com deficiente análise naquele dia de muito calor e vento da parte da tarde, sem ponderar as causas e seus efeitos, nem tão pouco discernimento para chamar os Bombeiros, tendo esta sorte calhado a um terceiro inteligente que se encontrava mais acima ao ver a altura descomunal das chamas de imediato ligou para o 112 pedindo auxilio dando as coordenadas, ao primeiro encalço de Leiria aventaram ser Fátima, onde também existe uma localidade chamada Moita Redonda. Esclarecido o local ainda houve um segundo telefonema de um habitante na Horta logo informado que já tinham conhecimento do pedido. Acredito tenha sido fobia de cariz intimidativo no atraso do pedido de auxilio, quando o certo é de se ter capacidade mental em discernir rapidamente perante tamanha clarividência de chamas infernais a lavrar e progredir rapidamente em terreno de altíssima matéria combustível, no resulto, não houve alma piedosa a enxergar os enxergáveis (?) !
Em dezembro a estrada da serra à Cabreira apresentava este esplendor
E a vista para poente do Santainho
 
O farnel depois de árduo trabalho agora se escafudeu a comer pastéis de massa tenra e...
 
O contraste do verde e do queimado de agora...
Costado norte da Mina de S.João do Outeiro do Cuco
 
Por onde o fogo passou deixou um mar branco de cinza, um caos com tresmalhado de madeira deixada nos cortes agora jazida em carvão, marasmo irreconhecível de uma serra outrora bela...
Brevemente irá mexer a serra com o movimento dos madeireiros, uma mais valia a sua grande vantagem de lucro, quando apenas se mostra a madeira chamuscada e não queimada, disso me dei conta ao descer um dos costados depois de chover em que a cinza era lama, para não escorregar na descida vim a saltitar com as mãos presas aos eucaliptos, para espanto ao chegar à estrada se mostraram brancas e não pretas!
Os prejudicados são grandemente os proprietários e não o deviam ser, porque a maioria da madeira não ficou amarela, estando boa, apenas os cortes até 3 anos não se aproveitam para papel, sendo claro que os troncos ao serem cortados e puxados pelos guinchos pela cinza cinza vão ficar de aspeto feio, mas apenas isso!
 
Imagem nua e crua que jamais se varre da memória, seja por a maioria das courelas da herança terem sido queimadas!
Desilusão com o salpico de tanto buraco pelo terreno com os cepos dos primitivos pinheiros e de eucaliptos...quem neles meter um pé o pode partir pela certa!Por isso todo o cuidado!
 
 
A serra de Nexebra foi outrora coberta de castanheiros, pinhal e abrigotas. Há mais de 80 anos os donos da Quinta de Cima de Chão de Couce por terem nas imediações ao picoto pinhal tipo nórdico, a minha mãe ainda dele se lembra, cortado para procederem ao plantio de eucalipto, claro que os vizinhos pobres entestantes viram nisso uma fonte de rendimento pela venda da madeira ciclicamente de 10 em 10 anos, deste modo todos plantaram eucaliptos dizimando o pinhal. Na verdade se a opção tivesse sido o plantio de vinha tínhamos hoje costados maravilhosos a rivalizar as encostas do Douro, apesar de não termos o seu rio, apenas o consolo da fresquidão da Ribeira Velha com as suas azenhas reconvertidas e ainda as inúmeras Minas esventradas no xisto da Nexebra, e isso sim seria uma riqueza!
O caudal da Ribeira Velha no limite da Moita Redonda de Baixo com tanto matagal apenas se ouve o buliço da água em pressas por entre pedras para se fazer chegar à foz...
A ribeira ao Prazo mostra-se atulhada de matagal quando se fosse limpo poderia integrar um circuito pedonal para caminhadas...
 Abrigotas resistentes
 
 Em rota de regresso a casa nas imediações da Ribeira Velha a caminho do Fojo
 
Ao que parece a capelinha não ajudou os supostos moradores a chamar ajuda dos bombeiros (?), no entanto os cães fartaram-se de ladrar à nossa passagem, estando presos, como o deve ser, ao olhar uma última e derradeira miragem dei conta de um vizinho se aproximar para enxergar quem seria, foi pena no dia do fogo não ter a mesma suposta pressa em solicitar ajuda  imediata aos bombeiros (?) !
A casa do Ti Columbano com silvas em redor de três fachadas e não arderam...tendo ardido quase tudo na sua volta até às barbas da casa do Ti Plainas, a nespereira não sei se vinga...
O mesmo não aconteceu com esta casa. Ainda me lembro de serem emigrantes em França e de aqui virem passar as vacanses. No tempo se deslocaram várias vezes à Câmara de Ansião para lhes arranjar a entrada do caminho da serra até à casa com menos de um quilometro, infelizmente nunca lhe deram ouvidos e assim desmotivados foram construir no Pereiro...
 
 No costado oposto
Como já mencionei anteriormente o lavadouro público ao Vale, na Moita Redonda mereceu honra na toponímia em prol de Rua da Moita Redonda de Cima, o certo!
Na verdade a fonte é bem mais importante do que o lavadouro que já ninguém utiliza...
 No passado a fonte seca com aviso "Água não controlada"
A fonte esteve anos sem água por lhe terem cortado o cano que trazia a água de uma Mina nos Serrados (?) ainda assim tinha esta placa posta em tempo de outras por todo o concelho.
Obras de requalificação pela JFP em setembro de 2016 com a ligação da Mina de S.João.
Sem se saber se a água foi analisada. Serve para um morador regar a horta...
A Mina de S.João do Outeiro do Cuco das poucas que ainda tem água em virtude dos eucaliptos as terem secado . Sofreu obras com o muro pintado de branco e a ligação com cano à superfície pelo chão e pelo ribeiro...

Acontece que a JFP ao fazer a ligação da Mina de S.João do Outeiro do Cuco, durante anos de parca saída de águas em prol de uma vida a correr dia e noite em tempo que o povo a considerava sagrada, sendo que cada pessoa tinha direitos sobre a mesma durante dias ou apenas horas no ritual de abertura da levada para a água deslizar pelo carreiro de terra para regar leirões de milho e as hortas. Agora a ser deixada de porta aberta se mostra sujeita a vandalismos, supostamente a água não foi sujeita a análise (?) estando a fonte sem qualquer aviso, sendo inevitável que quem dela se abeire seja levado a beber água. Foi o que fiz pela saudade de outros tempos ao encher 3 garrafas, imagine-se foi um Deus que nos acuda de vómitos, disenteria, ficando o corpo sem forças!
O que não foi feito devidamente?
O lavadouro foi requalificado e reabastecido de água. Alguém o mandou construir na década de 60, disso não tem qualquer menção, porque era pessoa sem vaidade, mas que hoje dá a falsa  sensação que foi a JFP em 2016 que o fez, e isso não é verdade. 
A ser ligada a água da Mina, a JFP deveria ter procedido à análise das águas e ter afixado o relatório na fonte. 
A JFP deveria ter procedido ao fecho da Mina com porta de ferro por precaução de vandalismo com  fonte na sua frontaria para quem passar pela serra se saciar.
Em cúmulo, a fonte não apresenta qualquer aviso sobre a qualidade da água!
E quando estava seca tinha aviso. O que leva qualquer pessoa a saciar a sede.
Esta água contaminou pelo menos 3 pessoas-, a mim, à minha mãe e ao meu marido.
A JFP deveria ser mais cautelosa ao executar tarefas que envolvem terceiros, tomando cautela de prós e contras, porque com a saúde pública não se brinca!
Palco visto do Fojo com incêndio a lavrar nos Murtólogos e Vale Cego

 


 



O Kamov julgo se abastecia no tanque junto da Fonte do Cano no sopé norte da Nexebra



 

 
Voltar aos Murtólogos pelas Lages, tanta erva alta que nem conheça nem identifica que ali é um caminho...
Das poucas propriedades amanhadas com uma bela ponte com 3 lages em calcário, julgo seja do João Medeiros.Adorei ver o vimeiro em arco devidamente podado.
Murtólogos-, no Avelar existe na toponímia a Rua dos Motólogos, tem gerado polémica a sua origem. Falei ao telefone com a minha sogra e confirmei nesta Páscoa pessoalmente com a minha mãe ambas nascidas na Moita Redonda, só que desta vez pedi à minha mãe para escrever o nome na vez de o pronunciar, por ser estranho e assim de vez dissipar dúvidas e erros de verbalização.Escreveu Murtólogos.Acrescentou que a Sebastiana vivia numa casa pegada à do irmão António Rodrigues com duas irmãs, uma delas a Anita, foi criada da sua irmã mais velha, a Maria Augusta (Titi) e a Emília foi servir para a Rascoia no Avelar, tendo por lá ficado solteira. A palavra deriva de arbustos de murta, nada enxerguei porque também não me abeirei da borda do ribeiro, o que vi ao longe se mostrava verde com jacintos silvestres...mas podem haver arbustos de murta.
 Ruínas da casa da  Sebastiana seguida da do irmão António Rodrigues e mais à frente da Pedra...
 
 
Aos Murtólogos no tempo da vereação do Delfim Dias o antigo caminho do Pensal para as Lages, sofreu requalificação de estrada corta fogo com desvio aos Murtólogos para poente passando acima do Portelinho, ligando a outra variante aberta para o Vale Cego, deixando a trajeto dos Murtólogos ao Portelinho pelas Lages sem intervenção, nada que um catrapiller não derrubasse, porque as lajes são em barro vermelho, material frágil...
Em toda a caminhada até ao Pensal se mostra em grande área queimada, ao chegar ao ramal da estrada para o Pereiro, na descida eram notórios os rastos esventrados dos rodados dos carros dos Bombeiros em terreno fértil em água pelo que deveria haver valeta para o seu escoamento, agora nada aqui passa enquanto não for a terra reposta nos sucos das valas...distingui uma plantação de eucaliptal com uns 3 anos, sendo que desde 2012 o seu plantio obedece a prévia autorização.Não sei se foi aprovada ou não. Não sou fiscal.Acontece que o ano passado alguém denunciou a minha mãe de um plantio ocorrido em 2011, em que a lei ainda não estava em vigor, os guardas de Pombal tiveram o desplante de lhe perguntar se ela sabia de outros que tivessem plantado...quando o certo seja eles andarem no terreno!
Para agravar a situação o fogo em terreno de eucaliptos não é fácil de apagar pela altura descomunal de algumas árvores que chegam a atingir mais de 50 metros de altura, cujas ramagens fazem um capacete de fogo incandescente e crepitante arrastado pelo vento levando as folhas a arder para muito longe criando novos focos incendiários.
Beco do Vale
O caminho é estreito não cabe um carro de Bombeiros, sem espaço para manobras.
Quando se procedeu ao alcatroamento das duas estradas principais na Moita Redonda o caminho do Beco do Vale não foi alargado, estando lá a máquina, fatal destino não motivou os donos da casa no início do beco por não o permitirem não abdicarem da língua e do pequeno poço entestante com o ribeiro. Infelizmente já faleceram. Seja agora nova hora visionária de pensar no futuro e finalmente fazer o que é necessário procedendo ao urgente alargamento do caminho ao limite do ribeiro, e ao cimo acrescentar manilhas na ponte que já existe mandada fazer pelos meus sogros para a Horta- bastam mais 3 para se fazer um largo para manobras e claro alcatroado, porque no tempo do Delfim Dias houve a promessa de calcetamento jamais foi executada, contudo calçada não resulta, só alcatrão. Nos últimos anos apenas uma vez ao ano a JFP procede à limpeza do beco do Vale, aquando da limpeza urbana do Lugar, segundo um trabalhador da JFP que aqui ocorreu para ver o cenário do incêndio me informou, por me confundir com a minha cunhada, aliás não é o único, na verdade durante anos ninguém enxergou que se trata de uma via de acesso a uma casa com terrenos de outros, que merece a mesma intervenção, porque as pessoas pagam impostos!
O incêndio no Vale foi dominado com prontidão pelo Leonel das Calhas, ao sair de casa armado com a sua mangueira que ligou à torneira na frontaria da casa da minha cunhada apagando o foco de incêndio junto da eira da minha mãe, porque já devia saber que a JFP aqui deixou uma torneira, foi ajudado pelo inglês, morador na casa que foi do Agustito,  fizeram a união das mangueiras desta vez ligada à fonte para a deixarem ao meu marido na rega da adega... partindo para acudir a novos focos.Oiço o meu marido a chamar-me quando estava na Horta a falar com o senhor da JFP. Mal chego  pediu-me para o apoiar a regar as casas e os terrenos na envolvente, pedi-lhe para ir buscar a nossa mangueira ficando eu a regar o quintal do Silvério, quando voltou ligou a mangueira na torneira na frente da casa da irmã regando a sua casa e tudo em volta com grande dificuldade por causa do matagal até que chega um jipe GPS que entra em marcha atrás até à adega dela. Um dos elementos pediu-me para lhe encher o depósito com a mangueira que tinha nas mãos, o que fiz, enquanto dois procediam ao desenrolar da mangueira para apagar o fogo a lavrar nos pinheiros aos leirões,  um deles armado de agulheta na mão se apressa na caminhada para parar junto da barreira de silvas na extrema do quintal dos meus primos Lucas com a minha cunhada, barafustando alto " como é que um gajo passa, isto é um matagal"...a que respondi - se chegou até aqui é porque a minha mãe de 83 anos andou de manhã a limpar o que se enxerga, e o terreno  não é todo dela, caso não passava da palmeira...
Chegada de uma equipada GNR
A desenrolar a mangueira para atacar o incêndio aos leirões, mas não conseguiram...
O meu marido a mostrar o rasto do fogo vindo de nascente começou na beira da estrada para descer à eira e se alastrar a poente, poupando a sul porque a minha mãe o tinha roçado de manhã...
 O talho do jardim da minha mãe agora limpo
 
O Luís, filho da Sra Idalina apetrechado com a sua mangueira dizimou um foco incendiário que começou  no silvedo na Horta. Neste beco da Horta não entra nenhum carro, nem jipe. Acaso não tivesse eficácia teria o fogo alastrado em fatal desgraça, se bem que também teria sido uma grande limpeza!
A torneira aqui plantada de água encanada da Mina de S.João também abastece a fonte pública e os tanques viria a ditar a diferença de se dominar o foco de  incêndio.
Acesso a norte à serra na Moita Redonda de Cima
Panorâmica vista de dois ângulos diferentes onde vi  as viaturas estacionarem na volta do carvalho dos herdeiros de António do Vale
Três dias após o incêndio em caminhada demos conta que há pessoas sem escrúpulos fazem das barreiras esgrimes da estrada da serra vazadouro para despejo de detritos de obras e de entulhos que não querem perto de casa. No embocar da antiga quelha do Vale que no tempo de vereação do Delfim Dias a suposta engenheira (?) camarária decidiu fechar na requalificação do alargamento da estrada...
aqui distingui uma sanita, resto de uma escultura em cimento de uma figura feminina, latões, tijolos e outros detritos e a uns metros na curva numa propriedade da minha mãe deixada na mesma altura sem acessibilidade pelo cascalho de xisto rebentado no costado da frente onde sem escrúpulos foi deixada uma porta branca de madeira e outros lixos que o fogo deixou a descoberto.
Detritos na frente desta curva em dois pontos distintos
Quelha do vale na última requalificação da estrada deixada sem serventia para a serra e para o vale, e não devia!
Silvas que o dono cortou  há uns dois meses pelo tamanho que levam de rebentação (?) ditou a possibilidade de se voltar a percorrer esta quelha, e não dar a volta pela estrada e assim poupar quase 2 km, tarefa que não se mostrava  fácil, sem delongas me aventurei com a ajuda de um pau para me apoiar na descida  fazendo caminho para o meu marido descer, que não queria, mas o convenci apesar de resmungar com as silvas de silvão e árvores caídas foi uma aventura em matagal denso que mete medo ao diabo!
 
O alargamento da estrada da serra nunca mais teve manutenção, no tempo ao longo dela foram nascendo novos eucaliptos como aqui esta fila de 5...
A serventia da quelha do vale fechada  com eucaliptos sob o comprido a fazer a barreira para a fechar em definitivo, que vi e contestei, mas ninguém me deu ouvidos!
Neste momento mais limpo por o dono ter procedido ao desbaste de arbustos e corte de silvas.
O meu ar de felicidade por ter conseguido debelar a teimosia do meu marido e fazê-lo descer para outra vez caminhar na quelha do vale
 Ao lado da quelha do vale o ribeiro da Nexebra com árvores caídas
A serra precisa de PLACAS COM AVISO DE COIMAS- seja para gente sem escrúpulos que aqui despeja detritos de obras e para madeireiros que deixam madeira dos cortes, por ser matéria altamente combustível e ainda vigilância de proximidade.Lamentavelmente também existem particulares que não cumprem a obrigatoriedade de limpeza num circulo de 50 metros das suas casas...
Todos tem de cumprir!
A Lei em Democracia é igual para todos!
A caminho do meio da serra depois do entroncamento das duas estradas de sul e norte onde o fogo deu tréguas, sim porque houve clareiras que no meio deste inferno milagrosamente, se salvaram.
 O fogo pôs a descoberto uma Mina que não me lembrava- Mina da Cova da Raposa, hoje seca
Um pequeno costado de eucaliptal com idade de 40 anos ainda mandado plantar pela avô do meu marido a Ti Rosa da quelha, já sofreu na pele um outro incêndio há uns 30 anos e rebentou, no tempo ficou esquecido, em 2008  fui buscar o Ti António do Vale por entestar connosco a nascente e parte a sul, debalde não deu conta das extremas, os anos da sua idade eram mais que muitos ...
A poente no limite da estrada da serra existe uma fina faixa de eucaliptos novos de um herdeiro da Ti Rosa, do seu irmão Manuel Marques, e na extrema a sul alguém colocou um marco de cimento com indicação de corte para norte, junto de outro em pedra antigo, agora visível pelo fogo, que apenas é marco sem direção. O marco em cimento reforça uma divisão do terreno, no entanto supostamente foi mal colocado porque a nossa courela limita a poente na ribanceira abaixo com  mais uns metros de eucaliptos da mesma época, 40 anos, nada a enganar!
No passado o povo ao meter marcos, na maioria não os punham na extrema e sim a metros dela, ainda os metiam ao longo do terreno e não apenas nas extremidades, cada cabeça sua sentença...e outros ainda os mudavam...felizmente tudo já morreu, para agora se perceber as maroscas.Claro dá azo a más interpretações para não falar das escrituras com dados entestantes trocados; o do norte trocado com o de sul e vice versa... caso que ditou tantos anos de abandono. Nas Finanças fui duas vezes para fazer o levantamento dos números das courelas com organograma para entender o sítio. E uma vez encontrado, ardeu!
Sábado em véspera de Páscoa
Planeado almoço em família no Fojo que concretizei apesar de tanto contratempo; fogo e a disenteria causada pela água da Mina de S.João, de tal maneira intensa vimos jeito de não recuperar forças e ter de o cancelar. Felizmente consegui que o projeto se concretizasse e disso ficou a lembrança da boa comida cozinhada ao lume saboreada em bom ambiente à luz de velas em cenário antigo que bastante trabalho nos deu a limpar de teias de aranha...bem me arrependi de há anos ter enxotado uma colónia de morcegos que viviam num canto da adega...
Pela tardinha a voltinha em família com os resistentes por os demais já se terem ido embora.
Sem saber se a courela junto ao castanheiro belo, atrás mencionada tinha ardido...
 
 
Já de regresso ...os cachopos só queriam colo...
Ilações a retirar em época preliminar de fogos sendo que cada vez acontecem mais cedo.
Fica por esclarecer a razão de tanto hectar (50?) queimado apesar do cenário com tantos meios disponíveis, além de 190 homens (?) várias tipologias de viaturas e ainda pela tardinha o helicóptero Kamov.
Sensato seria este incêndio ser matéria de estudo para melhorar a eficácia humana, os meios disponíveis e causas adjacentes deficitárias:
Falta de bocas de incêndio na serra de Nexebra com uma massa florestal em toda a sua envolvente na ordem dos 99,9%, supostamente a maior do concelho de Ansião (?).
Repensar as parcas acessibilidades de vias estreitas e com poucas estradas corta fogo.
Nas entradas para a estrada da serra na Moita Redonda de Cima e na Moita Redonda de Baixo devem ser objeto de estudo para a criação de espaços para manobras a norte e a sul, para as viaturas aguardarem instruções e das equipas de prevenção para não estacionarem em terrenos de particulares ou afiladas nas estradas antes do Vale Cego, ao Pereiro e,...
Urgente romper Becos.
Romper o Beco da Horta na direção da estrada da serra a escassos 200 metros a nascente.
Romper o Beco da Serrada de acesso a poente na direção aos Murtólogos
Romper ao Portelinho na direção do caminho das Lages se mostra atulhado de erva com lages de barro vermelho a entestar com o ribeiro.

O caminho das Lages para os Murtólogos
 
Por último este fogo em pré época de incêndios  e de legislativas deveria ser motivo principal para envolver a autarquia, a JFP, Bombeiros e equipas da GNR, para em consenso definirem o que aqui aconteceu gerando uma visita de reconhecimento ao local, elaborando mapa  com as estradas e de caminhos corta fogo, fazendo um normativo para  novos rasgos no terrenos, colocação de placas com aviso de Coimas, vigilância, e limpeza por parte da JFP em manter as bermas  e os caminhos limpos e valetas pelo menos duas vezes por ano, e os particulares em volta das suas casas num perímetro de pelo menos 50 metros, com a ajuda das equipas florestais limpar terrenos outrora de cultivo, que em abono da verdade não são caras, tendo em conta o pessoal, máquinas, fazem as queimadas, sendo muito eficientes desde que haja alguém que lhes dê as cordenadas do trabalho a executar, sei do que falo, já andei com uma brigada numa propriedade em Ansião, em que o chefe da equipa me deixou admirada ao dizer que tomara haver muito homem a trabalhar lado a lado e a ditar ordens certeiras...
Não posso deixar de falar e dizer que senti deficiente planeamento ao ataque ao fogo em alguns sítios descontrolado com várias frentes, sobretudo o fogo vindo do flanco sul, a meu ver bem poderia ter sido cortado na estrada logo a seguir à mina de S.João, e assim ter poupado todo o costado norte, porque os novos focos iam sendo apagados por equipas de 3 elementos da GNR desembaraçados a meter a máscara na cara, a pegar nos equipamentos com destreza no terreno deram nota que sabiam o que estavam a fazer. O que se diz é que a opção dos bombeiros foi de proteger as casas...contudo uma casa desabitada na Moita Redonda de Baixo foi tomada pelo fogo.Um auto autotanque de Alvaiázere vindo de sul não conseguiu entrar na variante da serra, teve de fazer manobras.
Não sai das imediações do Fojo e do Vale, por isso não vi nenhuma atuação dos bombeiros.
Por segundos achei forte a possibilidade de toda a envolvente dos costados da Nexebra  arder e assim aconteceria se fosse verão com os fenos secos!
Foi notícia televisiva na SIC e TVI.
Para refletir, pensar e fazer mudanças, doa a quem doer! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog