terça-feira, 23 de abril de 2013

Almada no Bairro do Pombal e Rua das Terras dos Cortes Reais


O Bairro  do Pombal foi construido nos anos 40 para o proletariado numa parte da Quinta do Pombal de Baixo englobando o solar de uma das amantes do Marquês de Pombal. Reza a história que ele aqui se deslocava para a visitar - tinha  no limite da propriedade um grande portão em ferro forjado ao subir da Cova da Piedade que dizem estar guardado nos Capuchos(?). Daqui saiu a escultura em pedra Nepturno que se encontra na Quinta da Cerca na frontaria da casa com vista para o Tejo e Lisboa, também o painel de madeira pintado que se encontra no teto da capela da mesma quinta. O que revela que em termos de heranças os bens transitam desde sempre de umas casas para outras.Antes assim do que se perderem para sempre e até saírem para o estrangeiro.
Vista do solar e do recinto onde se encontra a mina d'água
 

Os cavalos saciavam a sede no grande tanque , julgo tinha por cima um brasão que foi retirado, ficou o buraco, em tempos vi alguns no chão algures junto ao Tejo há espera de melhor oportunidade.

A água vem de uma mina cuja abertura em estilo gótico tem uma cruz muito interessante -, já vi um prato em faiança com a mesma cruz!
Mina d'água da Quinta do Pombal de Cima e de Baixo
Cruz feita aos gomos
 onde está a avenca seca esteve o brasão, até se nota a aureola  oval em branco que o contornava
  • As casinhas foram na maioria compradas por marinheiros ou outros com ordenado bastante para suportar a capacidade de endividamento exigida.Os meus sogros tentaram, os ordenados  deles não comportavam.
Uma das muitas caraterísticas do Bairro são o nome das ruas de terras além mar conquistadas -, hoje perdidas, resta a sua  lembrança. 
Outra são as pedras no remate das casas.
Telhados inclinados.
Janelas pequenas.
Chaminés grandes .
Pinturas a ocre e azul a lembrar o Alentejo.
Gradeamentos dos jardins.
Ruas estreitas sem estacionamento, os carros entopem os passeios-, no pior temos de caminhar pela estrada.
Vivendas geminadas, outras autónomas com gente muito idosa. Há medida que vão morrendo as casas tem sido vendidas -, caríssimas, tão pequeninas  na sua maioria em área privada...novos vizinhos chegam, remodelam e ocupam!
Não falta a igreja , escola primária, creche, jardim  público, blocos de prédios económicos e um Lar.
  • Hoje pela tardinha fui dar uma volta pela Rua das Terras dos Cortes Reais -, 3 irmãos que exploraram terras para ocidente -, terra dos bacalhaus, oriundos dos Açores, filhos de pai natural de Tavira.
  • Haveria de ficar deslumbrada com as flores dos pequenos jardins.
Descubram a hortinha de couves galegas, bróculos, alfaces, hortelã, e...
Descubram as nêsperas amarelinhas...
Descubram os MAMÕES...ADORO MAMÃO... lindos verdes da cor do meu Sporting!
Os cães de guarda pachorrentos...não me incomodaram,não tossiram nem mugiram!

Tantas vezes aqui a passeio todas as vezes vejo a rua diferente, tal como eu!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog