segunda-feira, 11 de maio de 2015

Gerberas na festa do Pirilampo Mágico na feira da ladra no Montijo

Feira da ladra no Montijo, no último sábado constatei uma total anarquia na sabotagem de terrado, sem rey nem roque. Impressionante o descaramento de um colega  ao desfilar estaminés de ferramentas, móveis, loiças-, em fileiras inteiras de bancas sem fim à vista, coisa de mais de 50 metros...
Abancou nesta  avenida do jardim, ainda fez o gaveto, continuando na lateral com bancas na frente e no tardoz.
Para rir!
Decorria a campanha do Pirilampo Mágico, enquadrada  no festejo da festa da flor que nesta terra é rainha. 


O staf camarário se fez chegar ao recinto com a vereadora do pelouro da cultura(?) que abria alas no caminho, à laia de estandarte, vestida de saia plissada laranja, enfeitada nos cabelos negros com teara de flores, afinal a cor da minha camisola...Sinal de bom gosto!
Corri para tabelar conversa com o Sr Presidente, explicando que a feira necessita ser regulamentada urgentemente. Em resposta agradeceu a minha intervenção, afirmando " a feira  tem-se vindo a credenciar no tempo, veja-se pelo número de participantes( não saberá (?) que a maioria são ilegais, não estando credenciados, sendo que a GNR ao fazer uma vistoria, mais de metade levantava ferro num abrir e fechar de olhos ...) acrescentou que o lema é sempre melhorar, por isso o evento vai ser regulamentado, com fiscal e pagamento de terrado", o que se concorda em plenitude, uma feira regulamentada com normas, a ser cumpridas por todos, e quanto ao colega que usou e abusou de espaços, se mostrando egoísta, disse-me que iria ser avisado...não sei se foi!
Distingui na feira num estaminé de chão uma pá  de madeira debruada a lata na extremidade usada nas valas dos arrozais,  tenho uma igual . 

O nome dos objetos -, pá de valar, alvitrou um vendedor exuberante que gosta de se ornamentar com colares...até lhe tiraram uma foto,com ela ao ombro, mas não cheguei a tempo...
Distingui uma bela peça,  pote em cerâmica, possivelmente da Fábrica Viúva Lamego, de guardar água fresca nas escolas e casas abastadas.
Na despedida ao Montijo paira na banca da frente uma candidata a Miss Montijo vestida  e penteada a matar... não estivéssemos em terra de toiros e touradas.
Adivinhava-se por baixo do franjado saiote em voile preto com remate a seda branco a lembrar combinação, chinoases, por certo!
Deixei a feira para vir almoçar a casa, as vendas quase escassas, salvou-se a manhã pelo ramo de gerberas, no seu melhor a gentil oferta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Arquivo do blog