quinta-feira, 14 de abril de 2016

Fonte Santa no Monte de Caparica o chafariz que lhe ditou o nome

Fonte Santa
O nome pelo qual a povoação era referida desde o século XVI-, "Fontes Santas" pela existência de nascentes de águas medicinais. Não sei as mazelas que curavam ...
Tomei a estrada velha, felizmente a Junta de Freguesia cortou as canas que entupiam literalmente as bermas.
O passeio mostrou-se  muito aprazível e agradável pelo ar aromatizado a flores silvestres semeado a chilreio incessante de rouxinóis, eis que espantada me deixei a mira-los nos galhos dos ulmeiros e do freixo até que meti o pé na  berma  deslaçada numa poça  d'águas...
Até limparam de entulhos a variante à direita rasgada "empanada já era tempo de ser concluída para a rotunda de cima onde também ficou iniciada.Obras incompletas que me deixam sempre insatisfeita. Mais abaixo a primeira casa de uma quinta em abandono à minha direita, da qual não sei o nome. Ao cimo da arriba andava um afro na agricultura que o vi por entre o muro de canavial...Os novos habitantes deste casario que teve história num passado ainda recente. Uma coisa é certa são trabalhadores e gostam da ruralidade.
Pela frente um muro antigo esventrado, nem sei se não pertencia à quinta da Torre(?) que por aqui seria coisa menos coisa o seu limite a norte (?).
A rua mostra algum casario de envergadura  com duplo beirado português, airosas mansardas, varandas em ferro forjado e  placas em esmalte com o nome da família, vivências dum tempo de fausto, ainda que nelas hoje vivam gente, as casas perderam o vigor de antanho e neste agora revelam decadência crescente a olhos vistos, e é pena!
Vivenda Fernandes
No gaveto com uma azinhaga  que desce da Cruz da Granja um portal doutra quinta com um painel azulejar com a Nossa Senhora do Cabo, a que já falta um azulejo, por aqui passava o círio saloio vindo de Lisboa a caminho do Cabo Espichel, e a família deveria ser devota.
 Uma villa...na mesma decadência e abandono a olhos vistos...
No cruzamento vindo da Granja com a estrada velha dei de caras com um casario corrido onde avistei a nascente um suporte de içar a bandeira, seria a Escola da Fonte Santa (?) olhando o mapa julgo esteja a teoria certa. As escolas centenárias Conde Ferreira, as que sempre mais admirei pela arquitetura, mas inexplicavelmente esta por estar em sítio altaneiro virada a sul, em cor de rosa, de bonito varandim corrido pela frente do qual nascem duas escadarias  com gradeamento a ferro forjado que se abraçam ao portal, achei uma graça, em segundos sonhei como teria sido bom aqui ter aprendido a ler...
Porque eu não gostei da minha escola em Ansião, de arquitetura pesada e fria, branca, rasgada de grandes janelas para a GNR  onde a austeridade quer num lado quer noutro aprimoravam por se fazer sentir, a que não escapava a retrete escura de buraco no chão...
Sei que havia o cinema. Dele me falou o Carlos Estevâo e uma velhota no Porto Brandão, mas esse devo ter passado por ele e não o reconheci...
Deixei a Escola para na berma logo mais abaixo junto dos caixotes do lixo destingir resquícios do caminho lajeado,  supostamente faria no tempo a continuidade até ao chafariz da Fonte Santa(?).
Logo abaixo o entroncamento das duas estradas, a velha e a nova

Cenário provável dos catraios  com o seu fiel amigo, que não sei o nome, vestido de ansaime e trela, seja neste local?

Foto de cortesia de  Carlos Estevão
Aqui com o amigo Luís na estrada velha da Fonte Santa 06.03.1955.
Será o Carlos Estevâo o da esquerda?
Diz-me o Carlos Estevâo que o chafariz da Fonte Santa já era conhecido nos tempos de D. Afonso Henriques.
Foi com grande desilusão que o encontrei encafuado num canto escuso do pequeno Largo Carlos da Maia. Até me custou a acreditar como foi possível a construção do casario sem graça, ainda por cima, descaraterizado do maioritário da Fonte Santa, que exala beleza, e sem qualquer arrependimento o deixaram quase escondido em agonia, brutalmente  atrofiado a um nível bastante inferior ...Como foi possível isto acontecer, óbvio que o chafariz  seria no tempo abençoado por farto terreiro pela frente e pelos lados, com tanque para os animais saciavam a sede e os forasteiros e viandantes  na sua bica de água corrente, porque era lugar de curas, as águas eram medicinais, aqui acorria gente, local onde o povo se reunia e,... 

Citar Carlos Estevâo
"Estive em Portugal em 2012 e como a Sra, constatei o grande abandono em que se encontram pedaços do nosso património e não só, também as antigas habitações da Fonte Santa e arredores.
Quando aí vivia tinha uma vaga ideia da importância histórica dessa zona, mas  não tinha possibilidades, nem os conhecimentos que tenho hoje. Felizmente que a ciência histórica muito se desenvolveu nestes últimos anos e que a Internet me permite  ir descobrindo o valor do passado do sitio onde vivi.
O reguengo do Rei D. Afonso Henriques (as terras pertencentes ao rei e não à coroa) iam de Murfacem até ao caminho da Fonte Santa. Faziam procissões para homenagem à santidade das águas."
Na Fonte Santa havia a tradição de se fazer o  enterro do bacalhau. 
Dizem que foi reconstruído no século XIX...O que me saltou à vista trata-se de reconstrução nos meados do século XX feita por gente humilde que se calhar trabalhou de graça (?),  usou o material que tinha, desperdícios, sem qualquer estética, o que resultou uma lástima com a utilização de  mosaicos a esmo, anos 60/70 onde distingui uns iguais numa casa que tenho da mesma época, o que em abono da verdade não bate a bota com a perdigota!
Porque o património com história não pode nem deve ser desvirtuado, a culpa não é do povo, que só quer e pretende ajudar na emergência, pela tamanha incúria de se deixarem ficar parados a quem competia esse direito-, Juntas e Autarquia (?), mas ao povo ainda lhe falta sábia cultura -, erro crasso da nossa sociedade que não a facultou no tempo como o deveria,  e por outro lado não há fiscalização, e assim se vai perdendo rico património histórico, a mais valia que deveria orgulhar as suas gentes por o terem,  mas que deveriam saber manter preservado nas suas terras, em prol de outros que não nada tem de património...
A bica foi alterada para duas. A água que atualmente brota desta fonte não é potável, tendo sido esquecidas as suas propriedades curativas...Agoniza em  falta de limpeza e de manutenção.
Abandonada e não devia, porque é o símbolo que deu o nome ao Lugar!
No canto esquerdo do fontanário anichada sem qualquer estética uma capelinha com a Imagem de Nossa Senhora de Fátima, desmesuradamente grande em relação à capela, quase que bate no teto... Não sei o que existe na janela ao meio do chafariz fechado com uma Cruz, ora aqui ficaria bem uma imagem de tamanho médio, com redoma, ou em alternância outro sítio de maior dignidade sem estragar ou chocar o património edificado, de valia arquitetónica.
No muro de suporte do fontanário falta-lhe o pilarete de remate na direita, o brasão está mal estimado e no tardoz imensa vegetação a precisar de ser limpa, ao lado um pombal que neste local fica desenquadrado.
Porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa!
O chafariz exibe ainda um memorial em pedra coberto a líquenes, a precisar de ser limpa e devia ser traduzida " chafariz do público do Lugar da Fonte Santa mandado fazer por o concorrentes  ..........1810!
Depois deste caos a que foi votado o chafariz da Fonte Santa que lhe ditou o nome, haja bonança em o revitalizar com dignidade, por ser sítio de águas santas, as mandar de novo analisar, porque os fontanários servem para saciar a sede a quem passa. Devem ser feitas as alterações que chocam, com  estética, respeitando a época, usando a pedra. A meu ver depois de se mostrar encafuado, semi escondido, o certo seria abri-lo  para o Largo em  farta escadaria e retirando o passadiço lateral (?).
Assim triste com tanta aberração melhorei ao descobrir a pureza de uma rosa branca, bem me segurei para não a roubar...
Rua Nova (5 de outubro) através do portão ao longe vê-se na estrada velha a ruína da primeira casa de quinta que vos falei
 
Abaixo do chafariz da Fonte Santa à esquerda encontrei a lápide da Rua Azinhaga de Castelo Pição, nome que só conhecia de Alfama, que me falou o Carlos Estevâo, convenci o meu marido à subida até à curva onde de um lado e de outro há casario, lá chegados em descanso...
 Bastaram uns segundos outra vez convencido a continuar, apesar de se mostrar mais íngreme a maldita azinhaga, de piso mal enjorcado em alcatrão com grandes buracos ao cimo, intransitável para carros.
Castelo Picão
Grandes vistas sobre o Tejo, Lisboa e as encostas do Monte
Placas a necessitar de pintura
 Casario  na Fonte Santa na arriba oposta ao Castelo Picão
Na descida a caminho do Porto Brandão mais um grande casario em abandono
As gentes da Fonte Santa ainda chama a " Casa dos Mouros" ao que resta da ermida de orago a S. Tomás de Aquino pertença da quinta da Torre  que lhe fica no início e aqui escondida por silvedo e hera, consegui deslindar a cúpula .
Na teima da toponímia  mourisca e árabe ainda prevalecer nas suas gentes, nasceu a Quintinha Moura na extrema da Fonte Santa (?), com a quinta da Torre e a sua ermida, que foi construída sob ruínas de suposto morabito, como existe ainda um em Murfacém.
Curioso no tempo que o escritor Bulhão Pato morou na Torre chamavam  à ermida derrocada pelo terramoto de 1755  "A CASA DAS BRUXAS" ...
A Quinta do Canal nasce a norte do que resta da Quinta da Torre logo após a " Casa dos Mouros".
O nome dá o mote de aqui ter existido um talvegue de águas (canal)  vindo da quinta da Torre, que neste agora com a subida do piso pelo Metro de superfície se mostra mais difícil de entender(?).
Logo a uns metros acima no que foi o adro da ermida, foram descobertas cisternas cheias de água que podem ter sido silos árabes , onde hoje é um  lago artificial.
Na parcela da frente onde foi o pomar da quinta da Torre na estrada velha a caminho da Fonte Santa a berma levava muitas águas e já não chovia há dias. Disse-me uma senhora de vasta idade vestida de roube vermelho, debruçada sobre o portão da entrada da sua casa , que as águas vinham do poço desse terreno na frente da Casa dos Mouros e desciam até à Fonte Santa onde há um túnel, que o marido o desceu de barco até à Quinta da Azenha, casa para onde foi trabalhar aos 16 anos, depois emigrou para a Alemanha onde esteve 45 anos, voltou comprou a casinha, há anos sofreu um AVC, só não tem diabetes, simpática e afável, precisava de conversar , vai todos os dias de camioneta ao Monte e volta a pé,  bem a gostaria de ficar a ouvir, lamentavelmente o meu marido já não o avistava, tinha sumido estrada acima...Ainda lhe perguntei se conhecia o Carlos Estevão que emigrou para França nos anos 60, debalde não se lembrava...
A casinha desta senhora simpática sita na curva do outro lado da rua, esqueci-me de lhe perguntar o nome da quinta cujo muro alto se vê na esquerda.
Pelos céus num manifesto inferno malditos embora  benditos fios, sem qualquer estética nem ordenamento, inadmissível em empresas que auferem milhões, a culpa é de muitos proprietários que permitem a passagem pelos seus terrenos, nem respigam... Eu não deixo, obrigo-os a seguir a estrada, quando estou numa propriedade minha o céu também me pertence, só atravessam se me pagarem renda!
Porque sou do tempo que os fios eram delicadamente afixados pelas paredes como deve ser sem chocar o olhar de ninguém.Agora só pensam em atravancar o serviço, sem jeito nem maneira, porque tempo é dinheiro.
 A destacar o tempo áureo de antanho 

A Sociedade Filarmónica Primeiro de Julho de 1890 da Fonte Santa chegou a ser o Lugar mais importante da freguesia. Há uma fotografia, e uma breve nota ( de Manuel Lourenço Soares, em "Figuras e factos do Concelho de Almada", 1980, p. 183, que informa sobre a fotografia, que foi tirada na Fonte Santa, em 1928. O regente é Higino Sousa Coutinho, ao tempo 1.º sargento músico da GNR (foto gentilmente cedida por Castelino Alfredo Leitão, um dos raros sobreviventes desta apreciada Banda Filarmónica de Fonte Santa)". Houve também uma cooperativa de empregados do Lazareto-, Associação Económica 6 de Dezembro, que teve sede na Fonte Santa, e de que há noticia ter havido uma sessão preparatória para a sua fundação no dia 6 de Dezembro de 1896."

Caríssimo Carlos Estevão
O meu bem haja pela cortesia de documentação e informação valiosa dos locais que lhe são queridos, confesso que na minha caminhada me senti encantada com os meus olhos a ver e a sentir como se fossem os seus neste querer reviver o buliço da vida na Fonte Santa, seja da calmaria, do cheiro das flores e do  chilreio dos passarinhos em tarde airosa de sol a chamar a primavera, que percorri em calmaria caminhos por onde vivenciou a sua infância e adolescência. O Lugar está agora mais bonito, sendo que há ainda muito abandono por revitalizar. 
Para já demos mais um contributo para repor a Fonte Santa no caminho que teve no passado!


FONTES


http://almada-virtual-museum.blogspot.pt/2014/09/torre-e-fonte-santa.html
Cortesia de Carlos Estevâo com informação e fotos

4 comentários:

  1. Vivenda Fernandes:) vivenda que me viu a chegar a este mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro João Rocha muito obrigado pela cortesia da visita.
      Isa

      Excluir
    2. De nada Isa "amiga" pois é nessa vivenda em 1967 minha mae me dava á luz. Eu quando olho para essas casas,monumentos ou castelos a minha mente viaja para um passado longínquo. Imagino o que essas casas "viram" as paisagens as gentes desse tempo que à muito partiram, e o incrivel é ter saudades de um tempo ao qual eu ainda nem se quer existia, sera pela beleza da sua arquitectura e paisagens desses tempos, sera porque quando chegamos a este mundo trazemos conosco os genes dos nossos atepassados e dai termos esse sentimento o qual nao teria razao de existir. abraço e bom ano para voce e todos os seus. :)

      Excluir
    3. Caríssimo "Anjo" muito obrigada pelo seu contributo no comentário, seja o seu e o de outros o meu alimento na vontade em continuar a escrever e a mostrar as coisas que nos deixam emoções. O seu comentário é muito rico, relata exatamente as emoções que não escrevi porque não vivi no local, mas de igual modo assim as senti ao andar em caminhada, e as omitir foi premeditado, precisamente para fazer despoletar o que toca aos mais sensíveis que viveram no local, foi o que esta leitura da crónica lhe ditou alegrias.Acredite neste Dia de Reis foi uma boa prenda. Bem haja, retribuo com Bom Ano para si e para os seus. E se mais souber e disso quiser referir pode usar o meu email Isacoy@hotmail.com que acrescento na crónica. Um abraço
      Isa

      Excluir

Seguidores

Arquivo do blog