sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Falar de Almoster no concelho de Alvaiázere

Péssima entrada no Ano Novo em matéria de fazer as Coisas que eu Gosto... exclui indevidamente a crónica compilada sobre a velha Igreja de Almoster em Alvaiázere,  já em última revisão,  horas perdidas pela contínua mania em paralelo a fazer várias coisas ao mesmo tempo, tenha sido a fervilhar pelo meio outra crónica a que dei prioridade, neste agora sinto não o devia!
Entrada da vila de Almoster com um Cruzeiro comemorativo inserido em pedestal
Aumento da foto, tentar perceber se tem inscrição relativa à comemoração...debalde nada enxerguei!

Sobre esta temática exarei em tempos um comentário na Página do Facebook da Igreja Velha de Almoster, que aqui reformulo ...há anos na ideia de parar e fotografar ruínas; não só da igreja como de umas casitas de pedra logo abaixo da aldeia de Santa Cruz, antes do entroncamento, julgo tenha sido uma azenha (?), e também na entrada na nova variante do lado esquerdo onde é visível um pequeno aqueduto de águas, sob o qual se estende em planura terreno que teria sido no passado riqueza de milheiral (?), ultimamente ambos os locais mais limpos e por isso visíveis, e ainda a ponte velha.
A minha primeira vez em Almoster  aconteceu no dia da inauguração da igreja nova tinha seis anos, apenas lembranças do grande adro atulhado de povo vestido maioritariamente de preto  e homens de camisa branca onde hoje existem infraestruturas de apoio às festas, lugar altaneiro de onde avistei muita gente em plano inferior, seria o antigo caminho (?) prostrados em fila de espera da sua vez para "matabichar" comes e bebes... Havia de voltar antes de casar para contratar um acordeonista.
A  Igreja Nova encontrava-se  fechada. A divagar de coração cheio a lembrar esta recordação de infância à minha mãe, em nada se lembrava de aqui ter vindo, quis acreditar fazendo fé que só se guardam na memoria, as Coisas que nos deixam verdadeira emoção...Assim triste a deixei para trás e parti em passo alargado sozinha a caminho da Igreja velha que dista escassos metros...
Tanta emoção sentida!
Muitos foram os que em modo coletivo se fizeram  ouvir junto da Câmara de Alvaiázere invocando querer a sua Igreja velha de Almoster reconstruída, justo mérito!
No meu opinar ficaria dignificado o espaço para auditório, palestras, exposições, aluguer da sala para publicação de Livros ou afins, ou melhor em utilidade mista de espaço público a funcionar no corpo da velha igreja para as diferentes utilidades referidas, e a capela mor a funcionar como Espaço Museológico, em virtude desta ter caído e terem demolido a sua torre, deviam de novo ser erguidas para novas utilidades, adotando  misticidade com a envolvente moderna que hoje choca o olhar, resulto da emigração(?), aqui nesta terra tão forte o seu êxodo na década de 60, cujos donatários sem culpa alguma, seja antes incutir culpas à autarquia por não ter prestado atenção ao núcleo histórico onde Almoster nasceu, supostamente em decisão arbitrária procedeu a licenças que mudaram para sempre a estética deste espaço emblemático. Lamentavelmente o casario moderno se mostra  descaraterizado na primitiva imagem histórica por conviver de paredes meias com a Igreja velha.Ainda assim, haja arquiteto de bom traço, da terra ou proximidades com almejo de sucesso na profissão, para oferecer planta com a nova imagem paisagística deste local, onde a mistura do moderno e do antigo possa conviver em harmonia e não choque ninguém. Acredito seja possível com pequenas alterações nas casas, ao se proceder a revestimento em lajeado calcário da região em prol de outras alterações, acaso os seus donos se deixarem envolver nesta iniciativa e assim se mostrarem dispostos a colaborar, em prol do desenvolvimento da sua terra, também a Junta deve pensar em expropriar terrenos (?) ou na sua compra simbólica, melhor seria a doação, em toda a envolvente e na ligação da variante, para ampla visão com expansão e abertura  do espaço, onde não falte jardim, parques de estacionamento e passeios na aposta futurista  em fomentar o turismo e deste modo todo o povo de Almoster sair vencedor!
Não li o Livro, apenas cito excertos disponíveis na Internet
Tanta vez em rota de viagem a caminho de Alvaiázere, feira do 23 de abril ao Arneiro, Agroal, Freixianda ou Fátima, sem parar e respirar Almoster...Sempre em mente o que teria sido o fausto passado desta terra, do seu pequeno mosteiro-, nome que deriva do árabe "Almonasterium" ou "Almosterio" albergou um pequeno número de frades Benedetinos do Lorvão que tomavam conta das suas terras. Em 1811 o mosteiro do Lorvão ainda tinha o padroado com direitos reais em Almoster, sendo que se desconhece a razão do abandono dos frades, à quem alvitre tenha sido a farta posse de bens fez com que a vida dos monges caísse em relaxe e o mosteiro acabou por fechar, mas poderia ter sido a beldade das mulheres descendentes de romanos e mouros, belas, a quem os frades de carne e osso não conseguiram resistir, cumulativamente a traição de alguns mouros perdidos de raiva a toda a hora a serem enxotados pelos cristãos ...Pelo Natal de 1200 o mosteiro reabre com vida nova pela mão de freiras de Cister com a posse destas terras de Almoster, e ainda da albergaria que já vinha do século XII, até que no reinado de D.Afonso III com todos os seus pertences voltam para a posse da Coroa Real. Um documento deste mesmo Rei datado de 1266, do Arquivo Nacional, relata a doação da albergaria a Fernão Pires. Este termo albergaria predomina na toponímia - Albergarias, o que dita a existência de mais do que uma (?).

Citar o Padre Manuel Ventura de Ansião
"Hospedarias ou albergarias sempre existiram em muitas das localidades por onde passavam peregrinos no caminho de Santiago de Compostela (Ariques) e santuários: (Nossa Senhora dos Covões em Alvaiázere, Constantina em Ansião e Sítio na Nazaré referidas na crónica de Severim Faria que acompanhou o Chantre de Évora em 1625), frades que vinham cobrar impostos e rendas das suas quintas (Frades de Santa Cruz a Ansião, de Santo Tirso à quinta de Cima em Chão de Couce), Reis, comanditas reais e viandantes além de malfeitores.Os Reis promoviam estas estalagens ou albergarias de apoio em todas as estradas principais. Nesta região havia várias, a que passava em Ansião era a que tinha mais concorrência. Nas “Notícias e Memórias Paroquiais Setecentistas”, de Mário Rui Rodrigues e de Saul António Gomes referem que no século XV os Reis de Portugal concederam a três estalajadeiros da Vila de Ansião privilégios e isenções para que pudessem servir condignamente os viandantes, onde havia enxerga para repor forças, pão, água, vinho, sopa ou papas de milho.Uma dessas hospedarias estava junto da capela de Nossa Senhora da Conceição, de que resta o portal , hoje no tardoz da Misericórdia, outra seria no Alvorge com Irmandade e tudo, que o pároco em 1758 dizia que o povo chamava Misericórdia mas que não tinha o estatuto das Misericórdias, e a terceira poderia ser a estalagem da Gaita (?), por aqui sita algures, séculos mais tarde julga-se tenha existido outra na Sarzedela (?), para em meados do século XX findar a última estalagem da Ti Maria da Torre, no Bairro de Santo António, tinha um Crucifixo de madeira com o Senhor do Bonfim do século XVII, para receber os viajantes.As pessoas com posses pagavam ao estalajadeiro, mas os de baixos recursos tinham cama e mesa e até, se necessário, transporte em animais que as estalagens tinham para o efeito." 

Citar http://geneall.net/pt/forum/2096/teixeira-de-castro-de-chao-de-couce/ 
"Manuel Pinheiro de Barbuda nasceu em Almoster em 1576. Viveu em Almoster e casou com Francisca Borges, filha de Jorge Soares Galhardo e de sua mulher Mécia Fradessa (FRADE), senhores da Quinta de Almoster (Alvaiázere) , nº 5, em Tit. Galhardos de Abiúl. Consta de uma procuração que ela fez sendo já viúva, sobre a herança de seus pais , na nota de Manuel Fernandes, tabelião em P. Grande, em 1625 e de outra outorgada na quinta de Almoster, na nota de João Lopes, no 1º de Dezembro de 1635, a qual ela fez com suas filhas sobre a herança dos ditos seus pais (sogros), Pedro Barbuda e Filipa da Costa, e teve:
Joana Soares Borges, mulher de Nuno Leitão Correia, filho de Salvador Correia Leitão e de sua segunda mulher Jerónima Leitão, 319, Parag. 37º em Tit. Leitõe, c. g. Filipa Soares Borges, mulher de Belchior Diniz. Serafina Pinheiro (de Barbuda). Sebastiana Soares Pinheiro, que casou em Oleiros com Jerónimo Nogueira. Instituiu uma capela que possui António Torres, s.g.Helena Cravo Soares".


De Almoster partiu gente rumo ao Brasil há mais de cem anos
Naquele tempo de vida difícil, afinal hoje a mesma desigualdade na distribuição da riqueza, sendo que na verdade para partir havia necessidade de ter dinheiro para a viagem, pelo que alguns vendiam o que tinham, outros recebiam carta de chamada de familiares já instalados, provavelmente lhes faziam adiantamento do dinheiro que o pagariam depois (?). Contudo nesta época os portugueses não iam com o sentido de emigração, antes de irem ganhar dinheiro para voltar a Portugal. A história revela que quem voltou trazia no coração a grandeza e ostentação do seu casario diferente-, chaletts e casas de arquitetura imponente, em geral montaram negócios. Daqui de Almoster não sei se todos voltaram...Na verdade não vejo casario que remonte a esse tempo de fausto (?). A pesquisa na Internet sem ser intensa verifiquei que a maioria partiu de Vale da Couda, sendo que também partiram de Almoster, S. Tiago, Romila, Casal da Rainha, Fojo, Ponte Velha, Ponte Nova, Pexins, Bemposta, Quinta e,...

Passaporte de Manuel Rodrigues
1900-05-12 
Idade: 41 anos
Filiação: Luís Rodrigues / Rosa Marques
Naturalidade: São Tiago / Almoster / Alvaiázere
Residência: São Tiago / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos / Brasil
Observações: Acompanhado de sua mulher Maria José, de 33 anos e de seus filhos João, de 6 anos, de Maria da Luz, de 5 meses.
Supostamente não voltou ao levar a família (?) .

Passaporte de António de Barros
1901-02-12 
Idade: 24 anos
Filiação: António de Barros / Maria Freire
Naturalidade: Ponte Nova / Almoster / Alvaiázere
Residência: Romilha / Almoster / Alvaiázere
Destino: São Paulo / Brasil 

Passaporte de José Marques
1901-02-12 
Idade: 28 anos
Filiação: António Marques / Maria Rosa
Naturalidade: Casal da Rainha / Almoster / Alvaiázere
Residência: Casal da Rainha / Almoster / Alvaiázere
Destino: São Paulo / Brasil
 
Passaporte de João Marques
1906-12-31 
Idade: Não mencionada
Filiação: António Marques / Maria Rosa
Naturalidade: Casal da Rainha / Almoster / Alvaiázere
Residência: São Tiago dos Ariques / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos / Brasil

Passaporte de José Fernandes
1913-01-13 
Idade: 20 anos
Filiação: Manuel Fernandes / Maria Rosa
Naturalidade: Bemposta / Almoster / Alvaizere
Residência: Bemposta / Almoster / Alvaizere
Destino: Santos ( Brasil )
Observações: Não escreve

Passaporte de José Nunes Ferreira natural da Gaita 
1913-03-25 
Idade: 20 anos
Filiação: Manuel Nunes Ferreira / Luisa Gonçalves
Naturalidade: Gaita / Almoster / Alvaiázere - Residência: Gaita / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos ( Brasil ) - Observações: Não tem
Marco em pedra com letras CR
No lameiro junto da ponte romana a sul da Igreja velha de Almoster onde julgo existiu um pequeno mosteiro  tem aparecido vários marcos em pedra referenciadas como pertença de um Couto Real ou Couto do Casal da Rainha pela inscrição "CR", o que ainda carece de investigação (?), sendo que  a designação "couto real" seja para mim a premissa certa, mas também podem ter sido marcos de extremas da propriedade do mosteiro na atual toponímia Quinta / Almoster (?). Há quem aponte que o sítio da albergaria teria sido aqui junto da Igreja velha...Para mim a "Estalagem da Gaita" foi sita mais acima no entroncamento da Estrada Real para a Freixianda.
Ainda me lembro da estrada Ansião/Alvaiázere  ser alcatroada só até ao Ribeiro da Vide em Ansião, e seguia em maquedame anulando muitos troços da Estrada Real, ao se deixar Ansião ainda existem dois pequenos troços da Estrada Real que passava no Bairro de Santo António, Casal do Galego, hoje chama-se Pinhal, Chã Galega, Sarzeda, Macieira , Fojo, Gaita e Almoster.
Paróquia de Almoster no Concelho de Alvaiázere já existia em 1620.
Freguesia de invocação - O Salvador do Mundo. 
Teve como primeiro orago São Sebastião. 
Foi curato anual de apresentação do Mosteiro do Lorvão passando depois a vigararia. 
Até 1674 pertenceu a Ansião para efeitos administrativos e judiciais, ao termo da cidade de Coimbra, que a sul se estendia, inclusive, até Almoster.
Pertenceu ao concelho de Ansião pelo Decreto de 7 de Setembro de 1895 que extinguiu o concelho de Alvaiázere. 
Pelo Decreto de 13 de Janeiro de 1898 volta a pertencer ao concelho de Alvaiázere.
Breve narrativa temática a Almoster a lembrar um tempo longínquo dos colegas no Externato António Soares Barbosa, em Ansião, por de todos sentir gratas emoções e carinho, apesar da minha vida académica não ter tido a produtividade da maioria, pois apenas me deixei ficar pela licenciatura da vida, com quase 60 anos, me revelo amante da história, arqueologia, do património, da cultura e tradições das gentes das terras que desde sempre conheço e passei a admirar.Seja este continuado contributo em teimar falar da vossa terra, dirigido a todos com o meu olhar de crítica construtiva, exercendo o meu direito de cidadania, porque Almoster desde sempre me exala frenética paixão por ser terra ancestral  onde passou a via romana, e nasceu a aldeia de Romila, juntamente com a de Rominha em Alvaiázere, sinónimo da passagem deste povo, inegavelmente por aqui deixou linhagem nos genes destas  gentes e ainda no perpetuar a toponímia!
«Na Chancelaria do Rei D. Duarte encontra-se instrumento relativo à administração da capela de S. Salvador de Almoster, entre Ansião e Alvaiázere. Essa capela era do Rei e a administração, que pertencia a Martim Lourenço, clérigo, passa para Martim Gonçalves
Ao chegar à que foi a capela e sempre conheci por Igreja velha de Almoster deparei-me na frontaria do adro virada a poente semeada de amontoado de carros, ao jus de parque de estacionamento gratuito...Dei uma meia volta para encontrar a minha mãe prostrada à porta principal da igreja a olhar com tristeza para o total abandono a que foi no tempo vetada, infelizmente comunguei com ela o mesmo pesar e dor!
Visita curta em que cada momento foi de exaltação e desânimo sob um extraordinário céu azul avistado a poente e a sul pelos gradeamentos de janelas e ainda de uma porta ...
Fácil neste cenário imaginar que afinal existem Santos e Santas, e muita Gente de Bem!
Debalde em seguida me retrai do bom sonho ao avistar outras janelas que deixavam antever uma imagem mais sombria, fatalmente me deixou a pensar, afinal existe ambivalência neste mundo dito sagrado; de Santas, Santos, Céu, Deus, Cristo, Nossa Senhora, Terço para pedir graças, em disputa com o Mal representado pelo Diabo, Inferno, Martírio, Purgatório, e ainda as Almas Penadas que vagueiam, supostamente de pessoas que deixaram coisas para resolver em vida...
Contemplei a beleza da Pia de pedra sem água benta também com resquícios da barra azul do rodapé do corpo da igreja!
Caminhei sobre erva que nasce nas juntas do lajeado semeada por todo o lado sem pedir licença, chão que foi pisado e repisado por tanta gente durante anos ...
Por isso mesmo devia ser chão Sagrado!
Enxerguei capela cujo arco com losangos esculpidos no seu arco me reportam para outro semelhante na matriz de Ansião.
 
 O que seria aqui ? Esmoliadouro ou sítio para se acenderem velas?
E ainda outra pequena capela de arquitetura simples
De novo detetei resquícios pintados em azul à volta de uma coluna redonda em pedra que foi partida(?), não sei o que aqui existiu (?).
No exterior da Igreja verifiquei a quina poente/ sul pintada a faixas azuis, denota que o povo gostava desta cor como é uso no Alentejo, supostamente seja dum tempo que daqui partiam anualmente em rancho com capataz para a safra das ceifas(?)...
Capela mor também com faixa de rodapé em azul, portanto assim decorada a azul no exterior e interior.
Prostradas pelo chão e de encosto na fachada algumas das telhas mouriscas que fizeram parte do telhado primitivo.Deviam alguns exemplares serem guardados para testemunho deste passado.
Agostinho Gonçalves do seu arquivo excerto do Diário Popular de 12 de janeiro de 1984
 
A evocar o tempo que a Igreja foi usada para fins impróprios, o que me faz alguma confusão pensar e julgo a todo aquele que se intitule católico seja capaz de o usar de modo impróprio como se fosse um ateu -, por ter sido lugar de culto, apesar de devoluto...Ainda assim sejam pessoas de bem, me interrogo, será que nunca se incomodaram? Nunca os chocou?Não lhes fez diferença alguma? E o povo estrebuchou, mas não quis criar inimizades com vizinhos, amigos e compadres?
Os anos foram passando, finalmente o espaço da Igreja velha voltou para o Povo!

A foto acima mostra um exemplo apresentado pela Câmara de Alvaiázere no projeto de conservação das ruínas, como se salvaguarda uma ruína-, para mim só aceitável no convento do Carmo em Lisboa.
Jamais aqui em Almoster!
E perguntarão porquê ?
A preservar assim um espaço histórico seja promíscuo à entrada de animais e outros vandalismos.
Se depois do infortúnio do total abandono a que foi vetada, e nos anos 70 o imóvel ter sido vendido a uma cooperativa que destruiu a sacristia, a torre e o corpo lateral esquerdo para construção de uma garagem adoçada ao corpo da Igreja. Seja agora o interesse maior desta ruína  voltar a ter préstimo para o povo tendo sido adquirida na década de 90, por ter falido a cooperativa tendo sido arrematada em haste pública pela Junta de Freguesia, pelo que qualquer intervenção deva ser tratada com respeito, visão de futuro e de interesses para Almoster, em o querer rentabilizar como pólo e motivo de orgulho, seja este o meu fatal opinar.
Decorreu durante o ano passado a proposta pública com Orçamento Participativo da Câmara de Alvaiázere aberto à participação de todos os cidadãos, que fossem naturais, residentes, proprietários, trabalhadores ou estudantes no Município de Alvaiázere.Não pude concorrer por não me enquadrar em nenhum dos parâmetros.
Igreja construída no século XVII sofreu estragos substanciais com a passagem dos desertores da invasão francesa  pelo outono de 1810 pela prática de fogueiras por Ansião, aqui as lajes por estarem cobertas de erva não vi a marca, para neste século XIX ser alvo de novas transformações profundas tendo sido reconstruida ao gosto do povo, por isso o uso das faixas em azul, para a partir de 1963 abrir ao culto a nova Igreja tendo a primitiva ficado de porta fechada,  desafeta ao culto, iniciando-se a sua degradação com instalações impróprias ( aviário, armazém etc), não vi nem li que tenha sido explicado  se esta evasão foi consentida ou não (?), pelo que me apercebi, supostamente se tratou de ocupação ilegítima (?) com consequente aceitação por parte de alguns populares (?), que em devido tempo deveriam ter protestado em prol da defesa do  património religioso e público, debalde se deixaram ficar calados (?)... No entanto se o imóvel era afeto à Igreja, e o padre em devido tempo não autorizou o uso indevido nem dele recebeu renda, pura e simplesmente a negligenciou na sua má utilização (?) sem se condoer (?), pelo que me deixa deliberadamente a pensar que este padre que tomou a iniciativa de mandar fazer uma nova Igreja, porque dela o seu rebanho estava deficitária, e em sua honra o povo lhe desterrou uma lápide de gratidão que se exibe na frontaria, fatal me interrogar se o fez deliberadamente, foi incauto, ou não se indignou ao ver a aberração do que acontecia no sitio sagrado onde celebrou missa, batizou, casou, celebrou funerais e onde há sepulturas?-, logo eu que sou pouco ligada à religião, ainda rezo, mas cada vez a encurto mais, choca-me o tamanho abandono, a negligência e total desprezo, sendo que em democracia devo respeitar as ideologias dos demais...Em Ansião, na mesma altura um padre natural do mesmo concelho supostamente vendeu os azulejos do século XVI que tinham sido substituídos por novos em 40...Na verdade os padres também erram, são homens, e diz o povo, não há ninguém que não erre, mas padres com altos estudos é de se ficar pasmado com tamanha atrocidade!
Aprovado o projeto de conservação das paredes, limpeza e arranjos e melhoramentos no adro cerca de 20.000€. É importante intervir. Mas mais importante é verificar a longa vida desta Igreja e as penas e torturas de céu e de inferno porque passou e uma vez resgatada pela Junta , de assinalar que aqui teve um papel exemplar ao exercer o seu papel de cidadania, a meu ver o deveria completar apelando ao povo, emigrante e residente, para ajudar numa restauração que dignificasse o imóvel. Acredito piamente o povo acedia, o dinheiro aparecia, e Almoster teria de novo a sua Igreja não para o culto, mas como marco indelével na sua história, do seu passado, glorificação e dignificação do seu povo trabalhador, lutador e colaborante, que bem o merece, e claro a Igreja também deve participar com um forte donativo, para reaprender não pode nem deve negligenciar o seu património, não basta fechar a porta à chave, ficar descansado e depois de casa arrombada se deixou ficar calado...
Jamais é tarde para se fazer seja o que for, por isso aconteceu voltar numa bela tarde de inverno, airosa, a lembrar ares de cariz primaveril com pardais e piscos de peito amarelo a esvoaçar em andança nos ramos das árvores, assim senti  Almoster em vésperas de Natal, vinda do Mercado de Ourém com o meu marido e a minha mãe, depois do Arneiro já na variante entrámos por uma estrada de calçada onde andámos perdidos por aldeias, por o meu marido não ter o meu poder de orientação, não virou num entroncamento à direita  como lhe disse, achou  a calçada estreita demais...Andámos perdidos pela Bemposta, para de novo voltar ao Arneiro, a ouvir o que não gosto " que os levava por becos e atalhos", na verdade Almoster se mostra de ruas estreitas, maioritariamente calcetadas, em prol de as terem alargado com piso alcatroado, o centro sem passeios nem bermas, estando deficitário, a meu ver só deram dinheiro a ganhar aos empreiteiros, porque a obra não se revela grandiosa(?), ainda há meses em Pussos, neste mesmo concelho de Alvaiázere, assisti ao mesmo erro com o calcetamento de uma antiga via romana que passa pela igreja, além de não terem alargado a via, não fizeram bermas, e as lajes romanas que aqui existiam e deviam ter ficado para testemunho do seu passado foram retiradas... para não falar da deficiente sinalética de Almoster, porque uma coisa é viver ali e conhecer de cor as estradas para onde seguem e outra bem diferente é desconhecer e com a parca sinalética seja fácil alguém se perder.
Para quem não saiba a fábrica dos sinais situa-se no Camporês, no concelho de Ansião...
Senti a frontaria da Igreja velha entupida de carros o que me pareceu um parque grátis de estacionamento...
Em casa ao ver as fotos deparei-me com uma mensagem antiga escrita a vermelho
"ESTA JÁ NÃO É DO POVO".
Igreja Paroquial de Almoster / Igreja do Senhor Salvador do Mundo / Igreja de Nossa Senhora das Neves / Igreja Velha Portugal, Leiria, Alvaiázere, Almoster
"Arquitetura religiosa, maneirista, neoclássica. Igreja paroquial de planta retangular simples, de uma nave com capela-mor mais baixa e estreita e sacristia. Fachadas rebocadas com vestígios de policromia na delimitação do embasamento e cunhais; Fachada principal com remate em empena, com vãos rasgados em eixo composto por portal de verga recta e por janelão de verga curva com gradeamento em ferro; fachada lateral S. com portal de feição igual ao principal com dois janelões no 2º registo; fachada lateral N. aberto por pequenas frestas. Este corpo apresenta na fachada posterior uma porta de moldura neorenascentista. Interior completamente em ruínas com vestígios do coro-alto, pias de água benta, púlpito no lado do Evangelho, capela-mor e capelas laterais, pavimento em cantaria no sub-coro."
Imagem do Senhor do Mundo na Igreja Nova de Almoster
Olhando a foto não tenho dúvidas que se trata de uma Imagem recente, anos 60(?), onde estarão as Imagens antigas da velha igreja? Não entendo a associação ao orago a Nossa Senhora das Neves...Onde estão as Imagens da igreja velha? Não quero acreditar que as deixaram lá ficar, desapareceram, ou estarão guardadas?
Estupidamente uns dias depois de ter feito a crónica encontrei uma Imagem do Senhor do Mundo, que lhe faltava uma perna apesar de encoberta pelo vestido comprido como se fosse "menina" com favos minúsculos no peito (um hábito das freiras em vestir as Imagens masculinas com vestimenta feminina) na mão segurava o Mundo, uma grande bola em preto, seria do século XVIII (?)...Deus sabe o quanto me arrependi de não o ter comprado para oferecer a Almoster, depois de um bom restauro no Politécnico de Tomar, seria uma mais valia a integrar o espólio desta terra.Foi a pensar que seria caro, debalde aquela Imagem que me perseguiu horas acabei mais tarde por saber que me tinha sido bastante acessível...
Passaporte de José Rosa   
1907-01-31  
Idade: Não mencionada
Filiação: Paternidade não mencionada / Mariana Rosa
Naturalidade: São Salvador do Mundo / Almoster / Alvaiázere
Residência: Olival / Vila Nova de Ourém
Destino: Santos / Brasil


Festejos para angariação de donativos para a Igreja Nova, julgo em 65(?)
Foto retirada da net, desconheço o autor referente à procissão em Honra do Sagrado Coração de Jesus,em 65 (?). E aqui me volto a interrogar, mas afinal qual é o orago da nova Igreja?
A primeira invocação da Igreja de Almoster foi a São Sebastião ( o soldado romano, na região tão evocado) havia mais tarde de ser alterado para O Salvador do Mundo, contudo as festas em agosto são em honra do Sagrado Espírito Santo no penúltimo domingo de agosto, afinal e o orago a Nossa Senhora das Neves?
Foto retirada da Página do Facebook da Igreja velha de Almoster, desconheço o seu autor.
Visão da frontaria da Igreja  com um portão e palmeiras no adro, atualmente o portão foi retirado e as palmeiras morreram com a epidemia que assola esta espécie.
Contrastes com as fotos tiradas em 2005 e as minhas em 2016
Através da abertura do arco é visível o casario de cariz moderno que se foi adoçando em redor deste património histórico e que o descaracteriza ainda mais...
  Arco triunfal sustentado por pilares em ferro por estar em risco de derrocada

"Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  .Urbano, isolado, destacado. Implantado no eixo principal e no centro do núcleo urbano, onde se destaca o Padrão comemorativo dos centenário (v. PT021002010013). A pouca distância ergue-se o nova igreja. Fachadas principal e lateral direita voltadas para o adro com pavimento em terra batida, delimitado por muro aberto num dos ângulos por escadaria; ao centro do adro uma árvore de grande porte; fachadas posterior e lateral esquerda voltadas à via pública. Rodeado por casas de habitação incaracterísticas."

O sol batia forte, lamentavelmente a minha máquina não captou a imagem como esperava, interessa apenas reter as substanciais diferenças. 
Observações

*1 - " (...) Tem a Capela mor duas sepulturas de letreiro; huma tem o seguinte: Sepultura do Padre Vasco Leitam Faleceo aos 14 de Marso de 1633; e a outradis o seguinte: Sepultura do Padre Belchior Aluares faleçeo aos 14 de Abril de 1649; ambas temm armas 1 coroa. Estam mais no corpo da Igreja 3 duios letreiros sam os segintes: Sepultura de Manoel Pinheiro de Barbuda faleçeo a 7 de Julho d 1633; tem hum brazam de armas. Sepultura de Pedro Freire da Costa faleceo a 9 de Feuereiro de 1642; nam tem mais. § mais outra que tem o seguinte: Sepultura de Joana Leitoa e de seus Erdeiros faleçeo; e nem tem era e nam ha mais as coais hoje sam commuas a todo o Pouo. (...). (RODRIGUES, GOMES: 2007: pp. 74-75). *2 - "(...) Da Igreja Parochial aonde ouuem missas os moradores deste Conselho he padroeiro o Senhor Saluador do Mundo e fabricaria da fabrica mayor della a Madre Abbadeça do Real Conuento de Loruam e como tal aprezentam em a dita Igreja os Parochos e he Senhora dos dizimos desta freguezia. E em a dita Igreja ha tres confrarias, huma de Nossa Senhora do Rozario e outra do Deuino Spirito Santo e outra das Almase todas estras administra o Pouo por serem do mesmo; (...)" (RODRIGUES, GOMES, 2007: pp. 78-79). *3 - "(...) A Paroquia tem assento em hum valle: he seu orago o Salvador do Mundo: tem cinco Altares, o mayor do Patrono, e dous collateraes; o da parte do Evangelho do Senhor Jesus; o da parte da Epistola de Santo Antonio; o quarto de Nossa SEnhora do Rosario, e o quinto das Almas Santas: he a Igreja de huma só nave: ha nella cinco Irmandades, ou Confrarias; do Senhor, do Espirito Santo, de Santo André, das Almas, e de Nossa Senhora do Rosário. He curado, cuja apresentação pertence ao Real Mosteiro do Lorvaõ com oitenta mil reis de congrua.(...)" (RODRIGUES, GOMES, 2007: p. 80). Alguns dos elementos da descrição foram fornecidos por residentes de Almoster. *4 - A igreja "(...) foi roubada pelos Inimigos de tudo o que era precioso, como dois cálices, únicos que havia, o vazo do sacrário, a custódia, as cruzes do povo e do Santíssimo Sacramento, tudo de prata, todos os corporais, alvas, e toalhas, algumas estolas, todos os cordões, o Livro de Óbitos e Casamentos e mais livros das Confrarias" Umas e outras " coisas furtaram e queimaram". Também desapareceu "o Relicário, Turíbulo, e naveta, a lâmpada do Santíssimo Sacramento e um [...] Missal". (RODRIGUES, 2006: pp. 391- 392). Autor e Data -  Cecília Matias 2005 Atualização Cecília Matias 2008

 
Portal da sacristia esculpido com vários motivos; florais, corações, ligado aos afetos, e machado ou picareta (?) ligada às profissões dos artificies (?). Lindíssimo com um ar romântico  e doce não deixa qualquer um indiferente.

Arte de esculpir o Coração, orgão ligado aos afetos, gente de parca ou nenhuma instrução, mas de ALMA E SABER GRANDE!
Curiosamente a Igreja de Ansião e a de  Dornes nos portais também tem florões esculpidos semelhantes. Também em Ansião, ao Cimo da Rua, havia um antigo Cruzeiro no largo da casa do anterior presidente camarário, e pelos vistos o voltará a ser nas novas eleições (?), lamentavelmente se encontra  o seu pedestal coberto por líquenes e enegrecido com o tempo que jamais se dignificaram  a preservar, limpar e repôr a Cruz, pelo que  seja fácil acreditar, supostamente alguma vez nele reparou com olhos de ver... Na mesma o pedestal tem esculpidos motivos semelhantes a esta porta.
Janela em Maças de Caminho no concelho de Alvaiázere
Seria na região o sítio da Cantaria onde foram esculpidas?


Exterior da igreja
Ervas altas estonteada não procurei com olhos de ver alandros, nem tílias, só vi um plátano...


Capela do Fojo
Há cerca de 10 anos esta pequena capela de orago a Nossa Senhora da Penha de França sofreu um incêndio e continua neste estado de ruína. Sem querer colidir com quem que seja, ao primeiro impato algo se passa com os almostarenses(?) ao não darem a devida importância a algum o património religioso-, a partir de 63 foi a ocupação indevida da igreja, agora esta capela, o que fatalmente deixa qualquer um de bom senso a pensar...nestas terras que já foram de romanos, árabes, frades Beneditinos, de Cister, pertença do concelho de Ansião, atualmente inserida em Alvaiázere, e aqui me perdoem por não concordar com terras separadas do município por uma serra, por se mostrar uma barreira medonha que só os afasta e faz esquecer...Alvaiázere seja Grande em História pela serra desta banda a poente, mas sou eu a falar!

Daqui também partiu população a caminho do Brasil, lamentavelmente por a pesquisa não estar vocacionada para esta crónica e sim para outra não os copiei...
E

Falar mais uma vez da emblemática e sempre pitoresca aldeia  do Vale da Couda.
Em  1843 numa certidão de nascimento de Maria Pereira  se escrevia Valle do Couda.

Citar excerto   http://familiajuliofernandes.blogspot.pt/2012_04_01_archive.html

Tradução  «No dia dez de julho de mil oitocentos e quarenta e três, baptizei solenemente e pus os santos óleos em Maria nascida aos trinta de junho último, filha legitima de Manoel de Bairros, natural do lugar do Candal e de sua mulher Izabel Marques, natural do lugar da Ponte Nova, e nesta moradores. Neta paterna de Antonio de Bairros, natural do lugar do Valle do Couda e de Maria Simões, natural do dito lugar do Candal e ali moradores.»Tentar deslindar o seu nome primórdio, na verdade não acredito que a palavra "couda" derive da palavra "côdea" (?). As várias versões que encontrei:
Citar BPN- Manuscritos(Codice 108- Extrato de Noticias que o Doutor Bartolomeu de Macedo Malheiro, Provedor da Comarca de Coimbra  remeteu à Academia Real da História Portuguesa no ano de 1721
Escreveu Almoster e Val da Coyda.
Numa certidão de 1843 menciona  Valle do Couda, esta nova descoberta dispara noutra possível direção-, a palavra "couda" poder derivar do francês "couder" ( não nos podemos esquecer que esta estrada foi em tempos remotos via de circulação por viandantes nacionais, estrangeiros e Reis, significa "dobra em cotovelo referindo-se à estrada com curva " o trajeto da estrada medieval para Alvaiázere a partir de Almoster subia a encosta para a Cumeada, Casal da Rainha e Vale da Couda.
Em 1843 ainda se chamava "Valle do Couda" ), o que instiga a dizer o nome lhe advêm do vale fértil a que o dono juntou o seu nome que chegou aos nossos dias em corruptela. Se atendermos ao tempo de analfabetismo, o povo ficava cedo sem dentes usava um linguarejar quase imperceptível, ainda me lembro de quase nada entender o que diziam, nesse pressuposto pronunciariam  o nome da aldeia ao som de 
" couda"  e assim se fidelizou (?) no dizer da boca da minha mãe toda a vez que nesta estrada se passava e foram muitas dizia que antes se chamava "Vale da Conda" por se referir a senhora nobre,  humana que daria esmolas que originou o chamamento "conda", o que faz sentido afirmar., e assim  o pronunciava o seu primo de Lisboinha, alcunha "Pelaralho" homem que ganhava a vida a percorrer os caminhos da serra desde a Marzugueira onde devia morar um familiar (avô ou irmão de apelido Freire) vivia de afiar facas, arranjar varetas dos chapéus e pôr "gatos" na loiça partida. Obviamente carece de investigação o primitivo nome de Vale da Couda  deve constar em registos destas terras. ...O Vale da Couda pode ter sido um Morgado da família nobre natural do Espinhal com património também em Ansião, Ourém, Condeixa, Montemor o Velho, e,...Aqui no Vale da Couda existiu uma casa e capela de S.Pedro, hoje em ruínas da senhora Madalena de Mascarenhas Vellasques Sarmento e de Alarcão, filha de José de Mascarenhas Vellasques Sarmento e de Alarcão e de D.Maria Lucina Monis de Gouveia Rangel com solar na vila do Espinhal em Penela, sepultada no cemitério de Almoster. O jazigo do avô, Dom João de Mascarenhas Vellasques Sarmento e de Alarcão encontra-se no cemitério de Ansião, onde foi juiz da Comarca. 
Jazigo no cemitério de Ansião
Encontrei um pedido de Registo Vincular nº 17 do pai da senhora Madalena do Vale da Couda
Dom José Casimiro de Mascarenhas Velasques Sarmento de Alarcão, da Quinta de Além da Ponte, concelho de Ansião para três capelas e três morgados de que é o actual administrador, senhor e possuidor, em 21 de Fevereiro de 1863.
Filho de: Dom João Casimiro Mascarenhas Velasques de Alarcão Sarmento. Este vínculo é constituído por três morgados e três capelas, todos no concelho de Penela.
No cemitério de Almoster a lápide refere o seu nascimento em 16 de agosto de 1795, com batismo na Igreja de S.Miguel de Penela e que faleceu na sua casa de Vale de Couda, em 30 de Maio de 1877.
O seu pai e tios eram Fidalgos da Casa Real e naturais da Quinta do Vale do Arinto, em Penela.
Excerto retirado de http://geneall.net/pt/forum/71597/genealogia-das-cinco-vilas/
 "Paroquiais de Almoster (Alvaiazere)
Vale da Couda 30/08/1756
Casamento efectuado na capela da Quinta da Castanheira (Arega)

Dr. Manuel Filipe S. Tiago Teixeira - Capitão da Arega
filho leg. de de Manuel de Andrade (Almoxarife) e de Thereza Maria
(moradores na Quinta da Castanheira - Arega)
cc D. Maria Luísa de Brito Caldeira de Amorim (Vale da Couda)
filha Leg. do Capitão Alexandre Marques Nunes e de
D. Maria Luísa de Brito de Amorim
Test: O Capitão-mor Joaquim da Silveira Furtado e
O Padre António Maria, desta freguesia

Capela de São Pedro no Vale da Couda
Capela privada, segundo o Arlindo Marques tinha um altar maravilhoso que, segundo consta, está guardado por um dos proprietários (?).


Passaporte de José Marques
1896-02-12
Idade: 21 anos
Filiação: Manuel Marques / Joaquina Gonçalves
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alcobaça
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alcobaça
Destino: S. Paulo ( Brasil )
Observações: Não escreve

Passaporte de Manuel Nunes de Barros
1896-02-12
Idade: 21 anos
Filiação: Manuel Nunes de Barros / Luisa Marques
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alcobaça
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alcobaça
Destino: S. Paulo ( Brasil )
Observações: Não escreve

Estes dois últimos da mesma idade, devem ser primos, saíram na mesma altura, a menção de "Alcobaça" será engano de quem transcreveu os dados do passaporte, na vez de terem escrito Almoster(?)

Passaporte de Ildefonso Freire
1897-12-17

Idade: 24 anos
Filiação: José Freire / Maria Marques
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Donas / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos / Brasil
Observações: Não escreve

Passaporte de Manuel Gonçalves
1899-05-25

Idade: 16 anos
Filiação: Manuel Gonçalves / Teresa Simões
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alavaiázere
Destino: Santos / Brasil

Passaporte de João Nunes
1908-03-28

Idade: 34 anos
Filiação: António Nunes / Antónia Maria
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos / Brasil
Observações: Escreve

Passaporte de Mateus Pereira dos Reis
1900-09-03

Idade: 22 anos
Filiação: Afonso Pereira dos Reis / Maria Gomes
Naturalidade: Vale da Canda / Almoster / Alavaiázere Será Vale da Couda
Residência: Vale da Canda / Almoster / Alavaiázere
Destino: Luanda / África

Passaporte de José Marques Caseiro
1901-10-23

Idade: 26 anos
Filiação: Manuel Marques Caseiro / Joaquina Gonçalves
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: São Paulo / Brasil

Passaporte de Salvador Marques
1901-10-31

Idade: 42 anos
Filiação: Manuel Marques da Paixão / Maria de Bairros
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: São Paulo / Brasil
Observações: Acompanhado de seu sobrinho António Simões, de 12 anos.

Passaporte de Albino Freire
1901-11-08

Idade: 25 anos
Filiação: José Freire / Maria Marques
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: São Paulo / Brasil

Passaporte de Ildefonso Freire
1908-08-27

Idade: 35 anos
Filiação: José Freire / Maria Marques
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Donas / Almoster / Alvaiázere
Destino: Rio de Janeiro / Brasil
Observações: Não escreve

Passaporte de Manuel Dias
1913-03-25

Idade: 39 anos
Filiação: António Dias / Josefa Gomes
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos ( Brasil )
Observações: Não tem

Passaporte de António Dias
1913-03-25

Idade: 39 anos
Filiação: António Dias / Josefa Gomes
Naturalidade: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Residência: Vale da Couda / Almoster / Alvaiázere
Destino: Santos ( Brasil )
Observações: Não tem

...Deixando de falar da bela aldeia de Vale da Couda antes da subida para a serra de Alvaiázere seguindo a sinalética Bouxinhas, recentemente mudaram a grafia para Bouchinhas, de jipe há anos com a minha irmã entrámos estrada fora em terra batida, hoje asfaltada, dessa viagem gravo em memória a paisagem idílica serrana semeada à toa por  erva de Santa Maria debruada a pedra calcária no ornato das courelas de longos muros de pedra solta onde os silêncios acordavam com o chilreio dos passarinhos a esvoaçar pelos costados salpicados por olival raquítico até que de coração cheio chegámos à aldeia raiada de sol cercada de vistas. Mal eu sabia que por aqui foram encontrados vestígios de civilizações antigas, cujo espólio não sei quem é o seu fiel depositário (?), o certo era estarem certificados num Espaço Museológico a integrar a recuperação da Igreja velha, onde ficaria muito bem exposto, à vista de todos nós, amantes destes artefatos do passado, assim como outros achados encontrados noutras freguesias, da idade do ferro e do bronze.
Almoster é banhada em tempo de farta chuva a poente pelo Nabão, rio que rebenta no algar cársico em Ansião, acredito seja de grande dimensão onde rebentam outras nascentes como o rio Dueça em Penela, o rio Anços na Redinha , aqui nas "barbas de Almoster "a sul, o Olho do Tordo, um pouco mais à frente em Ourém a  ressurgência da Fonte Grande em Formigais, e a maior de todas a do Agroal. Por isso seja fácil acreditar no tempo que por cá andaram os romanos o caudal dado por este forte afluente ao Nabão fosse suficiente para ser navegável de Tomar até ao Porto velho (Ourém),  atestado na toponímia, que dita  o fulcral interesse que estas terras tiveram no passado como via navegável na entrada de outros povos (?) vindos do Tejo, se olharmos aos artefatos da Idade do Bronze encontrados em Mação junto do Ocreza. Em Portugal sejam poucos os sítios referenciados-, Porto de Mós, aqui em Almoster e mais abaixo na  Granja (Ourém) nos anos 60 foi encontrado um depósito de 5 peças, posteriormente foram vendidas para o Museu Machado de Castro em Coimbra, julgo só dois estão expostos no Criptopórtico com a denominação de origem Alvaiázere, quando deveria ser Ourém...
No Agroal recordo-me de ver prostrada no chão uma parte de coluna grossa em mármore rosa debaixo de um varandim feito em cerâmica de uma casa azul sita em frente da ressurgência de águas, na última requalificação lhe deram sumiço...Sempre que a contemplava ficava a pensar a razão de ali estar, cheguei a pensar que seja do tempo dos romanos, uma forte probabilidade, hoje quase consistente! 
Foto antiga destaca-se um homem sentado na referida coluna de mármore
Algumas notas de processos de inventário orfanológico interessante á época como se escrevia  algumas localidades: Valle Couda - Caudal, seja Candal (?) 
Processo de inventário orfanológico 1895
Inventariado: José Marques Furcas; inventariante: Rosaria Nunes
freguesia: Valle Couda - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1916
Inventariado: José Nunes d’Amorim Silva; inventariante: Carolina Maria das Neves
freguesia: Valle Couda - Almoster.  
Processo de inventário orfanológico 1919 
Inventariado: Rosa Fernandes; inventariante: José Lopes
freguesia: Bemposta - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1913
Inventariado: José Nunes; inventariante: Maria Gomes
freguesia: Gaita - Almoster.  
Processo de inventário orfanológico 1885
Inventariado: José Marques; inventariante: Maria Marques
freguesia: Caudal - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1919
Inventariado: Reverendo José Francisco M. Henriques; inventariante: Manuel Francisco
freguesia: Ariques - Almoster.
Processo de inventário orfanológico 1851 
Inventariado: Joana Maria; inventariante: Joaquim José Lopes
freguesia: Qtª Alcipreste - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1902 
Inventariado: Joaquim Alves e Esposa; inventariante: José Alves
freguesia: Galiota - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1910 
Inventariado: José Simões; inventariante: Luiza Fernandes
freguesia: Bascinhas - Almoster. 
Processo de inventário orfanológico 1905 
Inventariado: Joaquina Gonçalves; inventariante: José Mendes
freguesia: Casal Rainha - Almoster.   
Processo de inventário orfanológico 1883
Inventariado: Maria Gomes; inventariante: José Gomes
freguesia: Cazal Velho - Almoster.   
Processo de inventário orfanológico  1876   
Inventariado: Maria Marques; inventariante: José Gomes
freguesia: Caudal - Almoster.
 
Em remate assinalar  terra de tanta gente culta, cujos pais teimaram em mandar estudar os seus filhos pelo que se espera deles a paga  em reunir consenso de consciência pela melhor opção.
O certo é as sociedades terem o dever de preservar a sua história, ainda a tempo de remediar, preservando e reconstruíndo no MELHOR por ALMOSTER, ao jus do ditado "quem não respeita o passado não merece o futuro" e também dizia alguém, "ter orgulho nas raízes é lutar desalmadamente por aquilo em que se acredita!"
Preservar o património de Almoster  é ensejo de CULTURA à memória dos antepassados, aos presentes e gente vindoura.Almoster alia-se a paisagem bucólica vestida de verde salpicada de branco, com aromas a erva de Santa Maria em forte contraste com a pedra crua imensamente branca entranhada em terra vermelha ao jus de gravura, forte paisagem de imponência em vistas e silêncios, não deixa indiferente o viajante nas suas rotas de viagem aqui neste paraíso ao dizer que se sente em casa!
O condão desta crónica é dedicado a bons amigos, tem lutado por esta causa nas redes sociais, falo do Arlindo Marques Farinha, Henrique Dias, Luís Costa, Abel Barros, Carlos Gomes, Maria Nunes e,...


FONTES
https://www.facebook.com/groups/383373768524507/A criação deste grupo (Facebook) é um primeiro passo para avivar as consciências.
http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=23007
https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/bitstream/10316/32178/1/In%20perpetuam%20rei%20memoriam...pdf
http://www.freguesiadealmoster.pt/home.php?t=ct&c=27
http://www.arteperiferica.pt/ap/uploads/exposicoes/2931_Jorge_Estrela_Triptico_2014.pdf
http://purl.pt/12926/1/index.html#/64/html
http://geneall.net/pt/forum/2096/teixeira-de-castro-de-chao-de-couce/
Comentário do padre Manuel Ventura Pinho
http://familiajuliofernandes.blogspot.pt/2012_04_01_archive.html
http://digitarq.adlra.arquivos.pt/details?id=1127267
http://geneall.net/pt/forum/71597/genealogia-das-cinco-vilas/
http://digitarq.adlra.dgarq.gov.pt/details?id=1155128
BPN- Manuscritos(Códice 108- Extrato de Noticias que o Doutor Bartolomeu de Macedo Malheiro, Provedor da Comarca de Coimbra
Fotos Google

4 comentários:

  1. Anônimo disse...

    Li com emoção a tua visita à minha terra.Quem fala do Vale da Couda é sempre um amigo. A minha capela de São Pedro é uma dor de alma e os meus antepassados devem dar voltas na tumba ao verem o seu triste destino.
    Continua com as tuas viagens. É um prazer acompanhar-te.
    Carlos Gomes

    31 de janeiro de 2017 10:11

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo Carlos Gomes, bem hajas pela cortesia da visita, pelo carinho das palavras e também por sentir que no tempo ainda continuas nas minhas viagens a visitar o Blog.Muito me apraz, enfortece ânimo para continuar.
    A capela de S. Pedro do Vale da Couda, suspeitei de teus antepassados(confesso),mas esfriei ao lembrar o teu apelido, agora convicta , se pensar na tua adolescência onde já te mostravas bem diferente dos demais, afinal ares de nobreza, abençoado de belos cabelos compridos e porte!
    Dite esperança de ver chegar o dia que hei-de ser rica, sem delongas ajudo no seu restauro.
    Fica aqui exarada a promessa.Seja pela tua amada Vale da Couda, e aqui me permite sinto por ela também paixão seja ditada pelas muitas vezes em passagem , onde fácil é partir desarvorada a palmilhar carreiros ou de carro, mas sempre de peito cheio pelos silêncios, pelas pedras, pela erva de Santa Maria, por milhentas emoções que ali sempre desplantam sem pedir licença, esvoaçam e descontrolam...
    Obrigado. Beijos

    ResponderExcluir
  3. A capela sao pedro pertencia a casa dos alarcoes em vale da couda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Alarcão obrigado pela cortesia da visita. O orago a S.Pedro era comum na família, para mim já existia na capela da quinta de Além da Ponte em Ansião, que a neta D. Madalena de Mascarenhas Vellasques Sarmento e de Alarcão quando casou veio morar para o Vale da Couda em Almoster quis manter na sua capela, actualemnte em ruína.Desconheço se esta senhora teve descendência, possivelmente a teve mas feminina (?), porque nunca conheci ninguém com estes apelidos e sim outros descendentes com apelido "Gomes".

      Excluir

Seguidores

Arquivo do blog